Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

a frase

o referendo

Tendo chegado a este post do Tomás Vasques a partir deste do Eduardo Pitta, continuo a pensar que a questão decisiva não será tanto o referendo, mas o que vem a seguir ao "sim". Se a Ordem dos Médicos não aplica a lei actual, se não anda a entender-se com o Governo e não tem intenções de aplicar uma lei nova - não devíamos discutir mais a Ordem dos Médicos? É que cada vez mais se vê que o problema é esta, não a lei.

o comentário

Hoje alguém comentou este post da seguinte forma:
o francisco adam foi uma pessoa boa para as criancas a morte dele levou a ke miutas dessas chorassem e ficassem revoltadas !!!!! nao digam parvoisses o francisco adam ta pa sempre comigo e com todos os seus fas
Será em forma de cinza?

a notícia

Por acaso, eu nunca soube desta história (talvez porque sou cada vez mais céptico e menos atencioso a forwards manhosos). Mas diga-se em prol da comunidade chinesa que, mesmo que ela andasse por aí a traficar órgãos, de certeza que os vendia bem baratinhos.

o vídeo 2

E já, agora, não deixa de ser curioso que John Lofton, o opositor de Zappa no Crossfire no que toca à manutenção dos limites à liberdade de expressão, se classifique agora como "recovering Republican" e seja membro de um partido chamado Constitution Party, que procura restaurar "as bases bíblicas da jurisprudência americana".

o vídeo

Este vídeo da Paris Hilton repete (não digo "plagia", a palavra anda tão gasta...) o Hot For Teacher dos Van Halen. Fá-lo muito mal: os Van Halen eram bem mais divertidos do que a Hilton e não tentavam manter a incorrecção à American Pie, dentro dos limites de uma faixa etária comercialmente recomendável (e por isso mesmo foram mencionados no debate que levou às etiquetas "Parental Advisory").
Mas isso não é o pior. O pior é que o vídeo passa ao lado de uma evidência. Como pode ser que o adolescente alucine com a Hilton a cantar-lhe ao ouvido e a roçar-se-lhe no corpo no conforto hormonal do quarto e não comece imediatamente a - tenho mesmo de dizer?

a citação, 2

E é claro que, seguindo o raciocínio do xeque Taj el-Din al-Hilali, aqui o problema é o gato...

10

Os homens bonitos fazem a História da Beleza. Os homens feios escrevem-na.
Aqui, uma obra-prima de Solvstäg.

as histórias de seis palavras

A Wired pediu a uma data de escritores que lhe escrevessem histórias de ficção científica em seis palavras. Isto é extraordinário. Vejam só este exemplo de Ken MacLeod:
Will this do (lazy writer asked)?

Belo exercício. Deixem-me lá tentar:
- Não vás! - Sim, vou! - Bang, bang.

a citação

O texto

Esteve para não ser escrito, e andei a pensar nele desde Julho. É sempre assim, demoro a pensar na estrutura, nos sítios, no que acontece, nas personagens. No início desta semana, julguei sinceramente que não iria conseguir cumprir o prazo que me impusera - ontem à noite.
Mas consegui.
Foi difícil, mas consegui.
Podia ter ficado melhor? Podia. Há um momento a partir do qual os diálogos foram escritos quase automaticamente e temo também que, a partir daí, haja estrutura a menos. Mas isto de escrever é um teste ao próprio. As ideias narrativas surgem-me facilmente. O que me custa é limpar a estrutura e tentar criar uma linha coerente, mas simultaneamente original, que se relacione com o fim numa base de necessidade. Compreensível, mas com algo que intrigue. Na arrumação de tempo possível, fiz o melhor que pude. Talvez olhe para o texto daqui a uns tempos e decida melhorá-lo, não sei. Mas ter acabado algo imperfeito ontem à noite foi bom. Quase sempre, no fim, sinto-me a avançar.

a depressão

Não sei como pudemos chegar a este ponto. As pessoas andam de um lado para o outro sem se olharem no rosto. Aumentam os divórcios, os idosos solitários, as crianças solitárias, os solitários, ponto. Somos uma conta de somar sem resultado - em vez de um dez milhões, dez milhões de uns. Pelo meio, deixámos que isto acontecesse. E agora, quando iremos recuperar?

a floribela

Há pouco, estava ao computador perto de uma televisão ligada. Dava a Floribela. Pensei: dantes, quando as novelas eram feitas para adultos (e as brasileiras eram-no bem), eu e os outros miúdos víamo-las para aprendermos a ser adultos. Agora, são os pais que vêem telenovelas com os filhos para aprenderem a ser crianças. E daqui a uns anos, quando as crianças forem adultos infantilizados? Quem verá então coisas para adultos?

o filme

Há meses, montei este vídeo no computador por carolice. Hoje, coloquei-o no Revver, um serviço online que permite aos autores serem pagos pela difusão do seu material (como?, perguntais vós; lede aqui).


"Sonho de Outono Número Trinta e Nove" é uma espécie de impressão visual sobre o livro que andava a ler na altura (Lipstick Traces, de Greil Marcus). Podem copiá-lo à vontade, enviar por e-mail, o que quiserem - todas as ligações estão aqui.

a citação

a senhora na água

Só ontem consegui ir ver o último de Shyamalan e hão-de perdoar-me a inocência, mas em que medida é que o realizador ou o filme são ingénuos? O filme pareceu-me uma metáfora complexa sobre o "storytelling" - melhor do que "narração de história" -, em que o realizador afirma (em pessoa) o seu lugar perante a obra e perante o público e em que explana a sua visão do fenómeno artístico e narrativo.

Não é por acaso que o surgimento de "Story" ajuda o Shyamalan-personagem a desencravar a escrita do seu livro - uma história desencrava o ensaio socio-político (o livro) da mesma maneira que faz arrancar o ensaio estético (o filme). Percebe-se que o filme não tenha sido um sucesso comercial: as questões que invoca estão mais próximas dos storytellers do que da audiência média, como na aceitação pelo autor de que as suas ideias (e apenas as suas ideias) implicarão a sua morte. Parece-me algo que qualquer pessoa que publique a sua opinião compreenderá.

É nesta medida que este é o filme mais pessoal de Shyamalan - não pessoal no sentido "aqui está uma representação da minha vida", mas sim no sentido "aqui está uma representação daquilo que creio ser o sentido estético da minha actividade". A crítica corporativa e directa ao crítico de cinema (crítica ao crítico, portanto) retira logo qualquer átomo de ingenuidade que o filme pudesse ter. Na verdade, "The Lady In The Water" é um filme político. Política artística, sim senhor, mas político.

a adivinha

Há um problema para quem lê muito: a sensação de que já tudo está dito. Mas isso obriga à astúcia de encontrar o que é preciso dizer-se. Este não é um desses casos, mas não admito se é por cultura a mais ou astúcia a menos.

a mudança

Meus caros amigos, anuncio que, durante o próximo mês de Novembro, sairei de Coimbra, cidade onde vivo há já oito anos. Mudar-me-ei para Lisboa, para a zona da Graça. As minhas intenções, por enquanto, estão aqui. Depois, logo se verá.

a fotocópia

O Extratexto anuncia rusgas às fotocopiadoras. Espanta que não as tenha havido (ainda) em Coimbra, onde os centros de cópias existem quase porta sim, porta não. O triste é que, para muita gente (e eu também já fui estudante de Licenciatura), a fotocópia é mais do que ilegalidade: é sobrevivência. E acho que qualquer editor perceberá isto.

a opinião

a tradução: It's Alright, Ma, (I'm Only Bleeding)

As citações desta canção n' A Peste já devem ter ultrapassado a dezena e, se não passaram, deviam ter passado. Para mim, é a canção-súmula da fase inicial do Dylan. Achei que o mínimo que podia fazer era (tentar) traduzi-la.

Tudo Bem, Mãe (Estou Só a Sangrar)

Escuro no romper da alva
Ensombra até uma colher de prata
A faca de mão, o balão da criança
Eclipsa tanto lua e sol
Compreender, tu sabes logo,
Nem vale tentar.

No gozo, fingem perigos aguçados
Apartes suicidas são rasgados
Do bocal dourado do louco
O corno oco toca palavras gastas
É para avisar
Ocupa-te a nascer ou de morrer
Estás-te a ocupar.


A página da tentação voa
Tu segue-la, a guerra encontras
Vês rugir cascatas de pena
Sentes o murmúrio mas como nunca
Descobres
Que serias
Só mais um a chorar.

Não temas então se ouvires
Um ruído estranho ao teu ouvido
Tudo bem, Mãe, estou só a suspirar.


Alguns ganham, outros perdem
Razões privadas, grandes ou pequenas
Podem ver-se nos olhos dos que dizem
Aos que vão morrer que rastejem
Outros dizem só odeiem
O ódio.

Ladram como balas as palavras do desengano
(apontam ao alvo, os deuses humanos)
Fizeram de pistolas de brincar que faíscam
A Cristos cor-de-pele que no escuro brilham
É fácil ver sem olhar para longe
Que nada é deveras
Sagrado.

Padres pregam as más vocações
Mestres ensinam que o saber espera
Pode levar às mais caras refeições
Ocultam os bons atrás dos portões
Mas até o presidente dos Estados Unidos
Deve às vezes ficar
Nu.

E mesmo domadas as leis do caminho
É só das manhas da gente que me desvio
E, tudo bem, Mãe, eu vou lá chegar.

Sinais publicitários que te levam
A pensar que podes
Fazer o que nunca foi feito
Ganhar o que nunca foi ganho
Enquanto a vida lá fora continua
À tua volta.

Tu perdes-te e reapareces,
Descobres que não tens nada a temer
Ficas só, ninguém por perto,
E a voz confusa de longe, trémula,
Acorda-te os ouvidos e ouves
Alguém pensa que realmente
Te encontraram.

Acende-se-te uma questão nos nervos
Mas sabes que não há pergunta que satisfaça
Não desistir te faça
Manter na mente, não esquecer
Que não é a ele, a ela, a eles, àquilo
Que tu pertences.

Embora os amos façam as regras
Para os sábios e os tolos
Nada tenho, Mãe, para que viver.

Pois os que devem obedecer à autoridade
Que não respeitam em qualquer qualidade
Que desprezam os seus empregos e destinos
Falam invejosos dos que são livres
Cultivam as suas flores para ser
Só algo em que Investiram.

Enquanto alguns, baptizados em princípios
De clubes sociais restritos
A festas de polainas e gravatas,
Travestem marginais que podem criticar
Dizem só quem idolatrar E depois Deus o abençoe.

Enquanto um que canta com a língua a arder
Gargareja no coro da corrida de ratos
Dobrado disforme por alicates sociais
Não quer subir mais alto
Prefere trazer-te ao buraco
Em que está.

Mas não me zango nem culpo
Quem vive num cofre
Mas, tudo bem, Mãe, se eu não lhe agradar.

Juízas velhas olham pessoas aos pares
Limitadas em sexo, atrevem-se
A fingir uma moral, insultar, arregalar
O dinheiro não fala, pragueja
Obscenidade, quem se importa,
Propaganda, tudo é falso.

Aos que defendem o que não vêem
Com orgulho assassino, a segurança
Sopra-lhes amarga na mente,
E aos que pensam que a morte honesta
Não cairá sobre eles naturalmente,
A vida às vezes
Deve ser solitária.

Colidem-me os olhos com tumbas estofadas
Deuses falsos, eu desprezo
A mesquinhez tão má
Ando sobre as mãos algemadas
Pontapeio-a até acabar
Digo, ok, já chega,
O que podes mais mostrar?

E se se vissem os meus sonhos pensados
Punham-me a cabeça na guilhotina
Mas, tudo bem, Mãe, é a vida, só a vida.

o referendo

É necessário, como diz o Bruno, que a discussão sobre a interrupção voluntária da gravidez não caia na tónica do ser ou não ser (vida). Ou seja, quem vota não pode sentir que vai responder a "acha o aborto correcto", mas sim - e, ao fim e ao cabo, esta é a pergunta a responder - a "acha correcto mandar para a prisão uma mulher que aborta até às 10 semanas". A Igreja e a matilha conservadora tentarão orientar as consciências para a primeira e poderão, mais uma vez, confundir os cidadãos. Falta a isto um sentido de oportunidade: a Igreja deveria dar primazia ao aconselhamento posterior dos fiéis, não à orientação prévia do seu sentido de voto. Mas, lendo o Luiz, dá-me para pensar: e se a lei mudar sem que a Ordem dos Médicos altere o seu código deontológico? Não deveríamos estar mais atentos a essa discussão?

os recados

Parabéns ao PlayOnTape pela sua aparição no Público e, já agora, sejam dadas as boas-vindas ao O Apaniguado.

a moda

Sabem aquela sensação estranha de quando se vêem fotografias dos anos 80 em que as pessoas usam chumaços nos ombros, casacos garridos, penteados inverosímeis? É curioso, mas sinto o mesmo hoje a olhar para esta fotografia.

o romance 2.0

Absolutamente a ler, o diálogo epistolar entre Walter Kirn e Gary Shteyngart sobre a condição do romance - ou melhor, da ficção - no novo mundo da Internet. Deu-me ideias, esperem para ver.

o cabelo

João Lopes é das pessoas que melhor escreve sobre Media em Portugal. Será que merece ter o cabelo verde?

os filmes do imago 2

Mais filmes que se destacaram na competição do IMAGO:
Never Like The First Time!, de Jonas Odell. Três depoimentos sobre a perda de virgindade, que vão do óptimo, passam pelo banal e terminam no odioso. Mais um documentário em animação, a mostrar que os tempos não estão para purismos sem jeito.
Sun In Winter, de Samuel Collardey. Um filme intimista, harmonioso e que não quer quebrar o silêncio a todo o custo. A amizade entre um agricultor e o seu aprendiz numa França nevada.
The Dentist of Jaipur, de Falk Peplinski. Ou se gosta, ou se odeia: é impossível ficar indiferente a este filme, montado como um anúncio publicitário a um dentista de rua em Jaipur. O momento central é a sanguinária extracção de um dente a uma mulher chorosa. Dependendo dos gostos, ou extremamente divertido, ou extremamente repugnante.

Os prémios do IMAGO passaram por alguns destes filmes. Tirando uma ou outra excepção, o palmarés do festival foi criterioso e representa o que de melhor passou pela Antiga Fábrica da Moagem. Omite, claro, as secções não competitivas: os filmes de Dave McKean (comparsa de Neil Gaiman), as delícias esquerdista dos suecos ATMO, o absorvente documentário The Mindscape of Alan Moore, as perversões surrealistas de Alejandro Jodorowski, a perspectiva, simultaneamente plástica e de narrativa clássica, de Nicolas Provost.

Tudo somado, foi uma semana muito boa no Fundão. Posso dizer sem receios que o IMAGO é um dos festivais mais bem organizados onde já estive.

o vandalismo

Já deixaram o comentário "catita!" nos Vandalismos Delta? Se não, vão lá e, já agora, façam-no no meu. Eu quero esta máquina de café! Depois convido-vos para um capuccino, ok?

meanings of life

a bomba nuclear

O teste nuclear da Coreia do Norte, juntamente com a escolha do sul-coreano Ban Ki-moon para secretário-geral das Nações Unidas deixa entrever as complicações próximas que nos encherão as páginas dos jornais. Este interessante artigo de Fred Kaplan indica quatro cenários possíveis para o futuro. Um facto que, no entanto, me parece importante e que não está muito explícito no artigo: não estarão os Estados Unidos demasiado enfraquecidos, militar e diplomaticamente, para expandirem a "guerra ao terrorismo" até ao Extremo Oriente? E, com a Índia e o Japão em estado de sentinela, será demasiado cedo para dizer que se perspectiva uma grande guerra na Ásia?

a preguiça

Esta semana, ainda hei-de postar mais sobre o IMAGO. Mas agora, agora, não...

os filmes do imago

Algumas curtas-metragens que se têm destacado na competição do IMAGO:
Cafard, de Paul Jacamon, Thomas Leonard e Guillaume Marques. Uma animação digital muito interessante, de laivos socio-psico-futuristas. Talvez a primeira vez em que a representação do ser humano em animação digital me surgiu perfeitamente enquadrada. A vontade de ser naturalista não superou a de ser expressivo.
Carnivore Reflux. Outra animação, em estilo mais clássico. Os poderosos do mundo juntam-se para um jantar carnívoro que termina em... vómito. O mais interessante é o modo como adopta o tom de uma história infantil, através de uma narração em verso. No entanto, a leitura política "adulta" impõe-se. Uma sátira muito divertida.
Morrer, de Diogo Camões. Uma curta-metragem portuguesa, manufacturada na Escola Superior de Teatro e Cinema. Um olhar próximo sobre o método da morte, ou melhor, sobre a preparação do luto a partir das macas de uma morgue. Apesar de não se livrar de alguns tiques (na minha opinião, teria feito sentido resistir à tentação de deixar  a melancolia e o sentimento brotarem do meio do tom clínico), procura a documentação do que está para lá da aparência, e isso só lhe fica bem.
Ouch!, de Ken Wardrop. Relatos sobre circuncisões tardias. Para um homem, algo custoso de ver, o que só demonstra a sua eficácia. Muito simples, mas não deixa de ser um filme bem-disposto.
Pé na Terra, de João Vladimiro. Documentário feito no âmbito do Projecto Criatividade e Criação Artística, da Gulbenkian, no curso dado pelos Ateliers Varan. Retrata-se o cultivo de hortas ao pé de Olaias (estarei enganado na estação?, se assim for, perdoem-me), por baixo da linha do Metro. A revelação de um estilo de vida absolutamente rural no meio do subúrbio lisboeta é uma descoberta curiosa e, mais uma vez, a proximidade do olhar é espantosa. O cineasta conhece o seu lugar e não se coíbe de incluir um plano em que ele próprio dá lume ao sujeito que o acompanha. Com isto, ele afirma, honesto, mas nada inocente, que ele está ali, que a sua presença é influenciadora do que se vê e que, afinal, se tudo é verdade, também nada é verdade.
L'isle, de Chiara Malta. Começa por ser um documentário sobre o processo artístico de um animador. Depois, a animação toma conta do documentário, e é já o animador que documenta o processo de trabalho da documentarista. No final,  nas cores saturadas de um Super 8 (formato despojado, como o documentário, mas de imagem estilizada, como a animação), faz -se uma espécie de retrato conjunto e percebe-se que, afinal, tudo é uma história de amor.
McLaren's Negatives, de Marie-Josée Saint-Pierre. Revisita a obra do animador escocês-canadiano Norman McLaren através do tratamento visual de imagens de arquivo do próprio.  Pode ser que o interesse venha mais do retratado do que do retrato em si mesmo, mas, se assim for, tem sempre o mérito de perceber onde estava o interesse.
The Mechanicals, de Leon Ford. Numa abordagem próxima de "Delicatessen" ou da sequência final de "ABC do Amor", faz-se uma fábula cómica nada inofensiva, onde se proclama  a necessidade absoluta de o conforto de uns ser o trabalho de outros. Muito bom.
Hibernation, John Williams. Uma visita à psique infantil, a puxar para a lágrima, mas sem ser gratuito. Depois da morte de um amigo, duas crianças vestem-se de ursos e tentam encontrar uma maneira de fazerem os mortos reviver através de choques eléctricos. Triste e encantador.
Le Fil des Coups, de Benoît Tételin. Drama psicológico sobre uma operadora de linhas de ajuda a menores, em que as esferas do físico e do espiritual se juntam: a relação filial surge marcada por uma inevitável violência, o sexo pela alienação, a ajuda pelo distanciamento.
Medianeras, de Gustavo Taretto. Numa Buenos Aires literalmente atafulhada de prédios, uma história de amor improvável entre uma decoradora de coração partido e um web-designer tímido acontece. Também infuenciado por Woody Allen, é um dos filmes mais divertidos que passou pelo festival.
Bawke, de Hisham Zaman. Alguns temas têm marcado as competições do IMAGO deste ano. No que toca às relações entre pais e filhos, este foi sem dúvida um dos mais tocantes e comovedores. De laivos neo-realistas e algo melodramático (só se lhe pode apontar isso), é, em suma, um filme sobre um dilema: salvar um filho pode querer dizer renunciar ao filho?
Terra Incognita, de Peter Volkart. Juntamente com Rabbit, é talvez o mais impressionante e mágico filme que passou pelo festival. Um manancial de referências literárias e cinematográficas passam por aqui, mas o filme é bem mais do que uma mera colagem e consegue criar um universo de espantosa coerência, apesar do seu tom de fantasia científica.
Rabbit, de Run Wrake.O mais fino espécime de humor negro no festival. Numa abordagem inconoclasta que, por coincidência ou não, lembra o blog Monkey Fluids, cromos dos anos 50 são transformados numa história de tentação próxima da da galinha dos ovos de ouro. Espantoso.

o festival

Até ao início da semana que vem, os posts serão escassos: estou no Fundão, no Júri Jovem do IMAGO. E também cá estão outros bloggers.
« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009