Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

o livro electrónico

Já se diz há anos que o livro electrónico está à espera do seu iPod para triunfar. A e-ink foi um passo de gigante nessa direcção e, neste momento, já há disponíveis pelo menos seis modelos que poderiam ocupar o lugar: o iRex iLiad, o Sony Portable Reader, o Bookeen Cybook Gen3, o Amazon Kindle, o HanLin eBook e o eREAD STAReBOOK (cujos resumos podem ser vistos aqui). Mas é falso. Há ano e meio, também eu julguei que o futuro estava mais perto. Agora percebo onde errei. O livro electrónico não triunfará com o seu iPod - só com o seu Creative Zen. Enquanto o preço dos dispositivos não descer abaixo da barreira psicológica dos 200 euros - verdadeiramente, da dos 150 -, bem que podemos apregoar que em breve tudo vai mudar. O preço normal, desde o iLiad ao Kindle, tem sido os 300, 400 dólares. Ainda temos muito que esperar.

a solidariedade

E não esquecer: se é um contador de histórias, amanhã, entre as 12h e as 13h, não trabalhe. Escreva antes aqui uma mensagem de apoio aos argumentistas americanos.

a teologia do blogger

É curioso como na blogosfera tanta gente confessa "não andar a ler", "não ter lido" ou "não ter muito interesse em ler". A que padre se fará esta confissão? A este?

as 5 da manhã

O meu antigo professor, Gomes Canotilho, dizia levantar-se todos os dias às 5 da manhã. Com 18 anos e noitadas pela frente, afirmações destas davam-me para o riso. Fiquei mais intrigado quando li que Gonçalo M. Tavares se levantou durante anos a essa hora para poder escrever. Muito do domínio da lenda pessoal, pareceu-me. Mas, no outro dia, tive de me levantar às 6h30. E aí compreendi.

o divertimento de quem

o roubo - a balada de um homem magro *

Entras na sala com o lápis na mão, vês alguém nu e perguntas "quem é este homem?". Tentas tanto, mas não entendes o que vais dizer quando chegares a casa.

Porque algo está a acontecer aqui e tu não sabes o quê, não é, Senhor Jones?

Levantas a cabeça e perguntas "é aqui o sítio?", e alguém te responde "é dele", e tu dizes "o que é meu?", e outra pessoa diz "onde é o quê?", e tu dizes "oh, meu deus, estou aqui sozinho?".

Porque algo está a acontecer aqui e tu não sabes o quê, não é, Senhor Jones?

Entregas o bilhete e vais ver o bobo, que imediatamente se aproxima de ti quando te ouve falar e diz "como é ser uma aberração destas?", e tu dizes "impossível" enquanto ele te dá um osso.

Porque algo está a acontecer aqui e tu não sabes o quê, não é, Senhor Jones?

Tu tens muitos contactos de lenhadores para te arranjarem factos quando alguém te ataca a imaginação, mas ninguém respeita isso. De qualquer forma, eles já só estão à espera que passes um cheque para organizações de caridade dedutíveis nos impostos.

Estiveste com os professores e todos eles gostaram da tua aparência. Discutiste leprosos e larápios com grandes advogados. Passaste por todos os livros do F. Scott Fitzgerald. És muito bem lido, é bem sabido.

Mas algo está a acontecer aqui e tu não sabes o quê, não é, Senhor Jones?

Bem, o engolidor de espadas aproxima-se de ti e ajoelha-se, enerva-se e clica os saltos altos e, sem aviso prévio, pergunta-te o que sentes e diz "eis a tua gargante de volta - obrigado pelo empréstimo".

Porque algo está a acontecer aqui e tu não sabes o quê, não é, Senhor Jones?

Agora vês um anão de um só olho que grita a palavra "AGORA" e tu perguntas "por que razão?", e ele diz "como?", e tu dizes "o que significa isto?", e ele grita "que és uma vaca. Dá-me algum leite ou volta para casa".

Porque algo está a acontecer aqui e tu não sabes o quê, não é, Senhor Jones?

Bem, tu entras na sala como um camelo e franzes o sobrolho. Pões os teus olhos no bolso e o nariz no chão. Devia haver uma lei contra tu apareceres, devias ser obrigado a usar auscultadores.

Porque algo está a acontecer aqui e tu não sabes o quê, não é, Senhor Jones?

o vídeo


Alguém contesta que este vídeo de 2000 é das mais eficazes afirmações de um indivíduo face à estrelização, na linha directa de Help dos Beatles ou do suicídio de Kurt Cobain?

a proposta

Quando José Ramos Horta propõe o anfitrião da Cimeira dos Açores para o Prémio Nobel da Paz, ele pode estar a querer dizer duas coisas: primeiro, que se marimba para a clareza; segundo, que para um timorense até a guerra do Iraque é mariquice (algo do estilo "a nossa ocupação durou 450 anos - acostumem-se, putas"). Seja como for, ficamos a saber que o caminho entre o cherne e o Nobel passa pela Comissão Europeia.

Curiosamente, Churchill teve o mesmo problema: que Nobel dar ao maior político do século XX que, simultaneamente, fora um destacado homem de guerra? Em 1953, a solução passou pelo da Literatura. Resta saber se umas memórias de Barroso permitiriam a mesma desculpa, fossem elas as de Durão ou as do José Manuel.

um poema

Numa sala cheia, um homem de pijama fala sobre o outro lado do mundo.

Há famílias de professores muito atentas e líderes do dinheiro artístico a ouvir.

A presença destes, afinal, é a única desculpa, motivo e condição para o discurso existir.

Sem eles, o homem em pijama teria só o seu silêncio - que, aliás, nunca o incomodou.

No entanto, ele não diz à mulher de pijama que as razões que ela não encontra para fazer o que faz é gostar dos homens do outro lado do mundo.

Da pele, do cheiro, da língua estranha.

São homens que ela não pode penetrar.

Por isso ela gosta dele.

E por isso ele não se cala.

o desejo

Nos últimos piscares de olhos, pensei em como os últimos sucessos são na verdade definidos pela relação entre pessoa e desejo: o desejo da cantora na televisão de não mudar, o desejo de um homem de manter as coisas sob o seu controlo, o meu desejo de levar o pensamento até ao fim. Enfim, talvez não valha a pena pensar muito nisto. Para um budista, por exemplo, este post é nada.

os livros que não se lêem

O Extratexto menciona uma crítica do NYT ao livro Como Falar dos Livros que Não Lemos?. Para deixar a minha migalha, digo que o curioso deste é o modo como troca as voltas a quem dele esperar algo do estilo O Especialista Instantâneo para superar a quota de literatos em festas. Na capa, o título marketingzado apela ao consumo e ao pseudo-choque; por dentro, está um ensaio não pouco complexo de Sociologia da Cultura - diria eu, que pouco percebo de uma e ainda menos de outra - sobre o livro enquanto meio ou objecto de comunicação, e "comunicação" é mesmo a palavra-chave. Resta saber se o livro vendeu mais pelo que tem dentro do que pelo que tem fora. O meu palpite não digo.

O que se dá


Há quem passe pela vida a dar voz a filmes. Não é o meu caso, mas, pelo menos neste filme dos Incorrigíveis, dou voz e braço, para além do microfone ao Luís Franco-Bastos.

o pathos

O problema de pensar em personagens e conflito é que sempre que tenho de cortar as unhas tento perceber o ponto de vista da unha.

a descoberta

Esta coisa da blogosfera permite a belíssima descoberta de que, afinal, somos muito mais inteligentes do que pensávamos ou, talvez, há muito mais gente inteligente do que se previa. Não me incluo nestas estatísticas - não fica bem nem é pertinente. Ler é ainda o melhor remédio, pouco importando que só se leia o Google.

o post que se impõe

Um estilo de post que nunca me atraiu, caro leitor, é o que começa com as palavras "sei que não tenho postado muito, mas". Por isso mesmo é que comecei este post com "um estilo de post que nunca me atraiu". A verdade é que a iniciativa Os 50 Melhores Programas de Sempre me tem tomado o tempo quase todo, bem como o do meu computador, que nestas semanas ficou oficialmente mais perto da terceira idade. Por isso, e também por dó para com o meu computador, convido-o a visitar o site mencionado e a estar presente no debate de amanhã no Teatro Tivoli. Vai ver que vale a pena.

o aniversário

Agora, este blog faz quatro anos.

o norman mailer

I believe the soul is a gift from God. Of course, you can abuse any living gift. Any number of people may end by saying "All I want is a little peace. Let me sleep forever". They may be given just that.
Isto disse Norman Mailer na New York Magazine de 15 de Outubro. Hoje, nem um mês depois, morreu.

o mistério

Eu inscrevi-me no Gabinete de Saídas Profissionais da Universidade de Coimbra no ano em que me licenciei, 2003. No entanto, só por estes dias é que eles me mandam anúncios de emprego diariamente. Ainda por cima, hoje tinha no leitor de rss duas notícias do Público a anunciar os vencedores dos Óscares de 2003. Terei recuado quatro anos no tempo? Será este o momento de largar um belo e sonoro aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaah?

o bobo

Como diz FJV, ele quer conversa. Talvez seja para vir depois dizer que é voz incómoda. Mas Pedro Arroja não é incómodo. Quanto muito, arrisca-se a ficar a falar sozinho.

a corrente

João André, das correntes a ver com livros gosto bastante (e confesso que ainda há pouco estava a pensar "e não há quem me envie esta cena da página 161?..."). Então cá vai: o livro que aqui tenho mais à mão é Memórias de um Ex-Morfinómano, do Reinaldo Ferreira/Repórter X, e a quinta frase é Nunca vi criaturinha de aspecto mais doce, terno carinhoso..., o que curiosamente combina bem com o João André (ah ah ah!). Passo a palavra à Francisca, que na sua casa nova ainda deve ter os livros todos desarrumados. Vamos ver o que calha...

o melhor monólogo que o mamet alguma vez escreveu?

...all train compartments smell vaguely of shit. It gets so you don't mind it. That's the worst thing that I can confess. You know how long it took me to get there? A long time. When you die you're going to regret the things you don't do. You think you're queer...? I'm going to tell you something: we're all queer. You think that you're a thief? So what? You get befuddled by a middle-class morality...? Get shut of it. Shut it out. You cheated on your wife...? You did it, live with it. You fuck little girls, so be it. There's an absolute morality? May be. And then what? If you think there is, then be that thing. Bad people go to hell? I don't think so. If you think that, act that way. A hell exists on earth? Yes. I won't live in it. That's me. You ever take a dump made you feel you'd just slept for twelve hours...? Or a piss...? A great meal fades in reflection. Everything else gains. You know why? 'Cause it's only food. This shit we eat, it keeps us going. But it's only food. The great fucks that you may have had. What do you remember about them? I don't know. For me, I'm saying, what is is, it's probably not the orgasm. Some broads, forearms on your neck, something her eyes did. There was a sound she made...or, me, lying, in the, I'll tell you: me lying in bed; the next day she brought me café au lait. She gives me a cigarette, my balls feel like concrete. Eh? What I'm saying, what is our life? It's looking forward or it's looking back. And that's our life. That's it. Where is the moment? And what is it that we're afraid of? Loss. What else? The bank closes. We get sick, my wife died on a plane, the stock market collapsed...the house burnt down...what of these happen...? None on 'em. We worry anyway. What does this mean? I'm not secure. How can I be secure? Through amassing wealth beyond all measure? No. And what's beyond all measure? That's a sickness. That's a trap. There is no measure. Only greed. How can we act? The right way, we would say, to deal with this: "There is a one-in-a-million chance that so and so will happen...Fuck it, it won't happen to me..." No. We know that's not the right way I think. We say the correct way to deal with this is "There is a one-in-so-and-so chance this will happen...God protect me. I am powerless, let it not happen to me..." But no to that. I say. There's something else. What is it? "If it happens, AS IT MAY for that is not within our powers, I will deal with it, just as I do today with what draws my concern today." I say this is how we must act. I do those things which seem correct to me today. I trust myself. And if security concerns me, I do that which today I think will make me secure. And every day I do that, when that day arrives that I need a reserve, [a] odds are that I have it, and [b] the true reserve that I have is the strength that I have of acting each day without fear. According to the dictates of my mind. Stocks, bonds, objects of art, real estate. Now: what are they? An opportunity. To what? To make money? Perhaps. To lose money? Perhaps. To "indulge" and to "learn" about ourselves? Perhaps. So fucking what? What isn't? They're an opportunity. That's all. They're an event. A guy comes up to you, you make a call, you send in a brochure, it doesn't matter, "There're these properties I'd like for you to see." What does it mean? What you want it to mean. Money? If that's what it signifies to you. Security? Comfort? All it is is THINGS THAT HAPPEN TO YOU. That's all it is. How are they different? Some poor newly married guy gets run down by a cab. Some busboy wins the lottery. All it is, it's a carnival. What's special...what draws us? We're all different. We're not the same. We are not the same. Hmmm. It's been a long day. What are you drinking? Well, let's have a couple more. My name is Richard Roma, what's yours? James. I'm glad to meet you. I'm glad to meet you, James. I want to show you something. It might mean nothing to you...and it might not. I don't know. I don't know anymore. What is that? Florida. Glengarry Highlands. Florida. "Florida. Bullshit." And maybe that's true; and that's what I said: but look here: what is this? This is a piece of land. Listen to what I'm going to tell you now.

a nota sobre o roubo

Quem quer saber mais rouba. Isto também é importante.



Poetry itself contains as much energy as a Hollywood industry, as much energy as a stage play on Broadway. All that it needs is practitioners who are alive to bring it alive. Poetry, it has always been said to be a private, hidden art, not appreciated. The reason it's not appreciated is because it hasn't shown any guts, it hasn't shown any dance, it hasn't shown any moxie. Poetry is generally very dull, very pretensive.


Um dia, vou transcrever tudo o que o Bukowski aqui diz. Ele nem sempre dizia coisas inteligíveis e isto é particularmente oportuno. Mas hoje não vai ser esse dia.

o roubo

Era uma vez, tu vestias-te muito bem, atiravas cêntimos aos vagabundos quando estavas na maior, não atiravas? As pessoas avisavam-te e diziam-te "cuidado, boneca, vais cair". Tu pensavas que elas estavam no gozo. Rias-te de toda a gente que andava por aí. Agora não falas tão alto, agora não pareces muito orgulhosa de cravares tostões para comeres.

Como é estares sem casa, como uma perfeita desconhecida, como uma pedra a rolar?

Certo, andaste na melhor escola, Menina Solitária, mas nela só te embebedavas. Ninguém te ensinou a viver na rua e agora descobres que tens de te habituar. Disseste que nunca farias compromissos com o vagabundo misterioso, mas agora percebes que ele não está a vender álibis quando lhe olhas fixamente para o vazio dos olhos e lhe perguntas se quer fazer negócio.

Como é estares por conta própria, sem saberes o caminho para casa, como uma perfeita desconhecida, como uma pedra a rolar?

Nunca te viraste para veres os sobrolhos franzidos dos malabaristas e dos palhaços quando eles vinham fazer números para ti. Nunca compreendeste que não é bom, não deves deixar as outras pessoas divertirem-se por ti. Costumavas cavalgar o cavalo cromado com o teu diplomata, que trazia no ombro um gato siamês. Não é tramado quando descobres que ele não era de confiança depois de te ter tirado tudo o que podia roubar?

A princesa no campanário e todas as pessoas bonitas estão a beber, pensando que conseguiram. Trocam todos os tipos de presentes preciosos e coisas, mas o melhor é tu levantares o teu anel de diamantes, o melhor é empenhá-lo, querida. Costumavas rir-te tanto do Napoleão esfarrapado e da linguagem que ele usava, vai ter com ele agora, ele chama-te, tu não podes recusar. Quando não se tem nada, não se tem nada a perder. Agora, és invisível. Não tens segredos a esconder.

a terminação

Na minha metafísica, há duas hipóteses: atacar ou defender. Um meio-campo seria só outro limbo e eu não quero mais destes fins.

a sorte grande

Uma vez, encontrei o homem de cartola, bigode e ciclista com a roda da frente muito grande que vivia na minha cabeça desde que eu sou pequenino. Perguntei-lhe porque é que nunca mais tinha aparecido. Ele respondeu que, depois de ganhar a lotaria, se mudara para uma cabeça melhor.

a síntese

Quando se está tão cansado que já não se distinguem as línguas, de que vale preocupar-se um sujeito com acrescentar valor? Passamos a vida a acrescentar valor às coisas, mas os capitalistas sempre hão-de tirar-nos o guito - velhas aulas de Economia Política dixit, que o Marx li só através do filtro avelasnunesiano. Ontem ligou-me um amigo, tinha perdido o telemóvel e não conhecia nenhum backup da Leonor, só me conhecia a mim, que me chamo outra coisa. Não lhe perguntei se a marca da nossa geração é a falta de ideias, muito menos como expressá-la criativamente - dei-lhe o número que ele queria, o resto tenho a mania que sei.

a antítese

O final da primeira temporada de Californication teve algo de deus ex machina, é certo, mas se se pensar bem nisso, percebe-se que a única verdadeira máquina era o Porsche preto de Hank Moody. O pensamento estruturado vem da retrovisão, não da especulação. O problema é que às vezes é difícil olhar para trás. Que o diga a mulher de Lot.

a tese

Já diz a sabedoria popular que quem espera sempre alcança, ainda que, antes de alcançar, quem espera desespere. E não conheço mesmo mais nenhuma sabedoria para além da popular que se exprima sobre o tão fascinante tema da espera. Talvez Beckett tenha dito algo, mas, bom, podemos sempre dizer que Beckett era uma peixeira.

o monólogo

Eu gostava era de mostrar-vos a cena do último episódio do 30 Rock (cada vez menos surpreendente e mais eficiente) em que o Alec Baldwin interpreta pai, mãe, vizinho e amante da mãe do Tracy Morgan, para além do próprio Tracy Morgan, mas não o encontrei. Seja como for, não era nada que se comparasse a isto. Mesmo que já se conheçam os tiques do Mamet, é preciso reconhecer que, se estiver com disposição, o homem tem dom para os monólogos.

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009