Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

o preço certo em euros

Em princípio, O Preço Certo em Euros ser-me-ia incómodo apenas pela sua ideia. Explico: a RTP já tinha transmitido umas séries do concurso aqui há uns bons anos (em 1986, se não me engano; estarmos na Europa era novo, ainda não havia euros - já havia ecu's, mas esses não circulavam), apresentadas primeiro por Carlos Cruz e depois por Nicolau Breyner e que fizeram o favor de substituir o Alf de surpresa. Por várias noites, a minha mãe deixava-me ficar até depois do concurso só para ver se a série ainda ia dar, mas, depois de algumas desilusões, desistimos. No que às equivalências diz respeito, foi como se o Preço Certo me tivesse dito que o Pai Natal tinha morrido.

Agora, traumas infantis à parte: O Preço Certo em Euros é o equivalente televisivo a uma sardinhada: é o luxo possível para quem não o tem. Não é por acaso que os concorrentes são na maioria trabalhadores ou classe média baixa, ao contrário das classes qualificadas d' O Cofre. Os prémios daquele são coisas caras, mas simples, pois não escondem as suas intenções: o carro, a viagem ao Brasil, os electrodomésticos, os conjuntos de mobília. A ideologia por trás d' O Cofre é a do mundo dos negócios. A do Preço Certo em Euros é a da gincana. A prova? N'O Cofre, é raríssimo ouvir um concorrente dizer "não ganhei, paciência".

O Preço Certo em Euros tem pelo menos dois méritos. Por um lado, conseguiu transformar-se numa espécie de acontecimento que vai para além da lógica do simples concurso: os concorrentes levam ofertas gastronómicas a Fernando Mendes, fazendo assim publicidade a restaurantes, pastelarias locais e mesmo às próprias terras; Fernando Mendes ofereceu uma televisão a uma ex-concorrente que não a tinha; todo o público participa na adivinha dos preços; enfim, há um pequeno caos. Por outro, o concurso conseguiu, principalmente com a saída de Jorge Gabriel e a correspondente entrada de Fernando Mendes (espantoso como a personalidade dos dois apresentadores se adequa à dos concursos que apresentam), conquistar uma espécie de imagética própria, com as suas personagens: Cristina, a assistente sorridente e simpática; Lenka, a lasciviosa assistente checa; Joao, o assistente musculado, ingénuo e injustiçado; Miguel, o co-apresentador cúmplice; e, é claro, o rotundo Fernando Mendes, com a sua infinda bonomia e o dom de se fazer respeitar ao mesmo tempo que faz o público rir às gargalhadas.

Por ser honesto nas suas intenções, O Preço Certo em Euros é-me simpático, apesar de tudo. Nele, há algo de genuíno que transparece, como conseguiu transparecer também no 1,2,3 dos anos 80. Não posso dizer o mesmo de nenhum outro concurso actualmente em transmissão.

0 Comentários:

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009