Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

a morte

A morte de Steve Irwin dá que pensar. Não era uma personagem televisiva (e, aqui, "personagem" não é inocente) de grande reputação cultural, mas havia realmente algo de interessante na sua postura. Com ele, o espectáculo não era da Natureza em si mesma - os seus documentários não eram um BBC Vida Selvagem; quanto muito, seriam BBC Vida de Steve Irwin. Não era um David Attenborough, fascinado pela observação de uma beleza exterior. Era, sim, um equilibrista, um artista de circo, que andava permanentemente em acrobacias na corda bamba, mas que transformara a corda bamba em animais perigosos e indomados (o nosso fascínio quanto à sua forma de espectáculo não assentava no seu domínio, como acontece relativamente ao do domador; pelo contrário, assentava na sua vulnerabilidade e, por isso mesmo, a identificação com o comum mortal era muito fácil). Ou seja, enquanto o documentário de Natureza convencional aspira à Biologia, o programa de Steve Irwin aspirava ao circo. Foi o mais carismático representante de um formato televisivo que resulta - e isto, sim, é interessante, talvez mais do que o próprio formato - de uma representação da Natureza enquanto agressiva e adversa à presença humana; por outras palavras, um formato que pergunta o que acontecerá se o observador oculto sair do esconderijo. Da primeira vez que o vi, o homem estava a deitar-se num ninho de dragões de Komodo, lagartos de 2 metros que têm a língua infestada de bactérias. Isso pode não ser grande televisão, mas merece respeito. Ou, pelo menos, alguma consideração.

1 Comentários:

Anonymous Vasco disse...

Todos estes rapazes radicais que agora aparecem nos documentários inspiraram-se em Timothy Treadwell, que fez furor há uns anos nos Estados Unidos. Fez furor até ter sido devorado por um urso muito mais radical do que ele na reserva de Katmai, no sudoeste do Alasca. É claro que este estilo é uma receita televisiva garantida, mas muitos biólogos conscienciosos opõem-se à pesquisa-espectáculo, na medida em que (muitas vezes trabalhando em reservas naturais) há impactos muito negativos para os animais e para os homens (como por exemplo a habituação de espécies perigosas ao contacto com humanos e a consequente aproximação destas espécies de zonas habitadas). A interacção com a vida selvagem nunca acaba bem. Que sirva de exemplo ao maluco inglês e ao americano histérico.

10:26:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009