Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

entretanto, ontem também tive oportunidade de ver o Elephant (entalado entre beijinhos de parabéns à minha namorada). Apenas uns comentários breves.

Primeiro, descobrir a progressão do cineasta Gus Van Sant. "My Own Private Idaho" era um exercício intenso - e de uma honestidade (homo)sexual comovedora. Sem gracinhas, esse filme era já um pico, enfim, uma primeira obra-prima. "Elephant" é uma obra de maturidade; penso que isso foi sempre uma evidência que me surgiu em criações de maior rigor e que nunca provoquei. Ou seja, nunca parti para as obras com a função "descartar ser obra de maturidade" escrita na mão (e, assim de repente, estou a lembrar-me de algumas: "Jackie Brown" para Tarantino; a trilogia das Mulheres Sacrificadas para Lars von Trier; "Tips and Shortcuts" para os Primitive Reason). Ontem, enquanto via "Elephant", isso voltou-me ao pensamento. Será pela paz, por uma certa coesão calma na concepção dos planos?

Segundo, é engraçado reparar como Van Sant compreende o universo do liceu (ou tem de ser escola secundária?). É bem verdade que cada um vê aquilo que quiser ver, mesmo que não tenha disso conciência; ora, eu recordo-me do ambiente passivo-agressivo, de sentir olhos na nuca. Vergonhas em círculo fechado a vigiarem-se umas às outras, todas prestes a explodir.

Terceiro, Van Sant tomou o digestivo expressionista de "Gerry" para aplacar as palpitações que Holywood lhe tinha deixado, não? Repare-se no equilíbrio : quanos planos nascem de uma deformação colorida - que lembra "Gerry" - para se transformarem lentamente (sem pressas: é preciso olhar para eles) em continuação da narrativa? Ou, pelo menos, da análise subjectiva de uma linha de acontecimentos que o filme é? É que "Elephant" não está no espaço e tempo que mostra, mas sim no de quem o dá a ver.

Onde é que se pode ver (outr)a escola tão bem filmada?

P.S: Este filme foi comentado de maneira muito mais modesta por alguém cuja crónica semanal foi para mim, durante algum tempo, absolutamente imperdível. Depois, ela acabou e eu comecei a ler outras coisas que antes não teria lido.

0 Comentários:

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009