Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

cinco reflexões

1 – Aquando da saída de Durão Barroso para presidente da Comissão Europeia, abstive-me de criticar a decisão que o Presidente da República tomou, não convocando eleições antecipadas e chamando Pedro Santana Lopes a formar Governo. Se não era o que eu considerava mais adequado – fico tentado a dizer “apetecível” -, era, pelo menos, uma solução constitucionalmente possível e que Sampaio tinha, pareceu-me, o direito de legitimamente tomar. Em suma, considerei que seria razoável dar a Santana o benefício da dúvida que Sampaio lhe deu, formando um novo Governo dentro do quadro parlamentar existente e reservando-se o poder de dissolver a Assembleia da República e convocar eleições antecipadas para mais tarde, se necessário.

2 – Agora, o caso Marcelo Rebelo de Sousa (anos depois do primeiro, mais um Marcelo entrou nas casas dos portugueses para lhes dizer o que pensar...) mostra algo de diferente. Uma nova demissão do Governo sem consequente dissolução da Assembleia é de todo impensável, nem Sampaio estará interessado nisso. A questão, por isso, é apenas: está assegurado o regular funcionamento das instituições democráticas e, não o estando, é necessária a demissão do Governo para o assegurar?

3 – Sinto que o Governo de Santana está em manifesto desequilíbrio e que o Primeiro-Ministro não demonstra capacidade para um cabal desempenho do cargo. A sua relação de amor/ódio com os media revela laivos perigosos de vontade de controlo, a relação entre ele e os seus Ministros não é a melhor e tem demasiados inimigos dentro do seu próprio partido para conseguir uma base de apoio sólida aquando de crises como esta. Santana é, em suma, um homem isolado. Da sua reacção e do resultado da gestão desta situação depende, muito simplesmente, a sua sobrevivência política, o que não quer dizer que ele sobreviverá politicamente desde que o Governo que lidera não seja demitido. Para já, e conhecendo a capacidade de Santana para decisões que embaraçam os seus ministros, isto não parece digno de muita confiança.

4 – Não esqueçamos que o que está em causa aqui é uma atitude censória por parte do Governo. Santana Lopes poderá deixar cair o seu ministro dos Assuntos Parlamentares, usando-o como bode expiatório. O Presidente da República poderá considerar isso suficiente para sanar a crise ou não. Seja como for, o que está em causa hoje não é a mera garantia de uma maioria sólida no Parlamento que apoie um Governo: é a própria legitimidade ética do Governo para exercer a sua função de condução da administração pública e da política do país. Que condições de governabilidade tem um Governo sobre o qual recairá sempre uma acusação nem confirmada nem desmentida de censura?

5 – O Ps Porto criticou ontem a atitude de Rui Rio para com a comunicação social (tal como o Público já tinha feito em editorial), considerando que ele a pressiona de modo a que ela não possa “exercer a sua função de regulador do poder”. Ora, a comunicação social não serve para regular o poder, o que seria (e é) tão insuportável como a regulação pelo poder da própria comunicação social (entenda-se, para além da tutela do equilíbrio democrático entre os diferentes direitos, liberdades e garantias). O poder soberano é dos cidadãos, do povo, que o delega em representantes eleitos para cargos públicos. O que a comunicação social deve fazer, no caso invocado pelo Ps Porto, é informar o povo do modo como o seu poder delegado está a ser exercido, permitindo que ele aja em conformidade e tome as decisões que tenha de tomar para o exercício da sua cidadania.

0 Comentários:

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009