Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

luto nacional 2, seguido de choques eléctricos

Depois de ler o post de Possidónio Cachapa, confesso que me desiludiu um pouco o texto original da carta de José Carlos Palha. Não discordo profundamente da opinião do leitor do Público, apenas esperava um enfoque para além da questão do merecimento do luto nacional pelo triângulo Sophia-Pintassilgo-Lúcia, que, no entanto, é precisamente a questão que se versa:
A igualdade de tratamento nos três casos era no mínimo o que se deveria exigir dos poderes políticos de um país desenvolvido. Não termos sido capazes de o fazer só veio contribuir para manter o nosso baixo índice de cidadania e de liberdade de escolha, fragilizando a nossa democracia; democracia que afinal parece ter sido apenas "oferecida" generosamente a uma população com um baixíssimo grau de instrução e de literacia.
O mérito de José Carlos Palha, no entanto, está na identificação precisa do que cada uma daquelas pessoas representou.
Uma foi talvez a nossa maior poetisa de sempre, candidata ao Prémio Nobel da Literatura e uma cidadã a todos os títulos exemplar; a segunda foi uma mulher, integrada numa ordem religiosa, que dedicou a sua vida às mais elevadas causas e trouxe à política a marca do seu ideal cristão, chegando a ser a única primeira-ministra de Portugal; a irmã Lúcia foi um exemplo de vida abnegada e simples movida por uma enorme fé em fenómenos ocorridos em Fátima que nos merecem o maior respeito e nos interrogam o mais profundo da nossa alma como católicos, embora não sendo dogmas de fé.
Esqueçamos agora a questão to be or not to be do luto nacional, sempre dependente da conjuntura política e (hoje mais do que nunca) do calendário eleitoral, e perguntemos: o que nos diz de nós mesmos a diferença entre os modos como foram celebradas as mortes das três, tendo em conta aquilo que elas representam e os valores e ideias a que as suas figuras apelam? Talvez que, muito mais do que iliterados e pouco instruídos, os portugueses pensam-se e sentem-se abnegados e simples. E isto é um ponto de partida muito mais interessante.

3ª QUESTÃO DE FÉ: ultimamente, ando a apanhar imensos choques em corrimões de escadas, fechaduras de portas e portas de automóveis. Ora, eu sei algo sobre electricidade estática - não muito, mas o suficiente para reconhecê-la como causa dessas pequenas descargas. Mas se não soubesse - aí pensaria que o mundo me estaria a castigar por maldade. O curioso é que esse conhecimento prévio depende da existência do saber na comunidade, o que é desigual e arbitrário. Ou seja, o progresso científico subsiste no e pelo acaso, tanto como a superstição. Estão aí ao mesmo nível.

0 Comentários:

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009