Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

dois pensamentos sobre televisão
("tributo" e carcavelos)

PENSAMENTO PRIMEIRO. O programa "Tributo", engodo inventado pela Rtp para encher chouriços na grelha à custa de semi-retirados célebres, até poderia ser tolerável se fosse honesto nas suas intenções. Mas, ao contrário do que um tributo deve ser (sendo que a garantia de uma prestação regular de tributos me faz alguma confusão, mas ainda assim), não há ali biografias em profundidade, esclarecimentos de pormenores, sucessos e fracassso menos conhecidos, seriedade na conversa. Ao contrário do que devia ser, neste programa o tributo vale mais do que o tributado. E, pormenor de requinte, no final o homenageado recebe um troféu. Deve ser por aguentar tanta parvoíce.

PENSAMENTO SEGUNDO. Por aquilo que compreendo, o roubo por "arrastão" em Carcavelos há dois dias consistiu num grupo de setenta a oitenta indivíduos - disse hoje a Rtp, mas já depois de se ter criado o mito de quinhentos - que começaram a correr e a agarrar em tudo o que podiam. Houve escaramuças, entre eles próprios e deles com a polícia, mas não vi ninguém a queixar-se de ter sido agredido (o comunicado do presidente da Câmara de Cascais dá a entender o mesmo). Aliás, pelo que se disse, houve só três feridos ligeiros: um guarda, uma senhora que se cortou numa garrafa e uma rapariga que levou uma cacetada de um polícia por engano.
Hoje à noite, as televisões foram ao directo a Carcavelos, que foi assim a praia mais vigiada do/pelo país. Foram também a Quarteira, onde dez tipos (novamente, número confirmado pela Rtp depois de um inicial cinquenta) roubaram três pares de calções numa loja e depois foram identificados pela polícia na praia. Um foi detido porque deu "um murro na mão e um pontapé na perna" ao guarda. Quase um terrorista. Isso não impediu os repórteres de perguntar às pessoas se se sentiam inseguras, de realçar que nada será como dantes e de lamentar como foi para esquecer o dia do arrastão de Carcavelos.
Pois eu proponho um exercício diferente. Lembremo-nos. Lembremo-nos para sempre do arrastão de Carcavelos como o dia em que as pessoas - as pessoas - que foram sistematicamente empurradas para fora da grande cidade, para os bairros sociais ou de lata, para os longes da vista e do coração, como o dia em que elas mostraram que existiam àqueles que as mandaram para lá e sempre estiveram demasiado ocupados para se lembrarem delas. Lembremo-nos do arrastão de Carcavelos como o momento em que um fantasma se torna carne, em que o racismo encapotado arranja justificação para existir, em que o preconceito ganha uma razão cuja causa é, por acaso, o próprio preconceito. Lembremo-nos do arrastão como a vingança dos putos postos à parte, que não aparecem em telenovelas da Tvi, acostumados a ouvirem "não podem entrar aqui assim vestidos" dos mesmos que lhes impõem a porcaria das coisas caras e de marca como o símbolo do estatuto a que nunca os deixarão chegar. Lembremo-nos do arrastão de Carcavelos como o momento em que a bomba social que uma sociedade burguesa, balofa, urbana, maricas, pálida e com problemas de bexiga espoletou e deixou rebentar nas próprias mãos. Lembremo-nos do arrastão de Carcavelos como exemplo de que não se governa para os mais desfavorecidos que delapidam a segurança social, mas para os mais ricos que pagam impostos, como se não fizessem todos parte do mesmo país, da mesma sociedade, como se não partilhassem a mesma coisa pública. Lembremo-nos do arrastão de Carcavelos como a maior das psicoses de praia depois da falsa onda gigante no Algarve aqui há uns anos. Lembremo-nos de tudo isto e percebamos que em Carcavelos aconteceu mais do que setenta putos a roubar. Aconteceu a merda de uma sociedade a vir à tona da água morta e suja em que ela não sabe deixar de se afundar.

3 Comentários:

Anonymous Anónimo disse...

"Um foi detido porque deu "um murro na mão e um pontapé na perna" ao guarda. Quase um terrorista."
E não é um terrorista??? A polícia não pode tocar nas pessoas, mas as pessoas podem dar murros e pontapés...

8:33:00 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

"Foram também a Quarteira, onde dez tipos (novamente, número confirmado pela Rtp depois de um inicial cinquenta)"
Acho que um autocarro que sai de Lisboa carregado com pessoal que passa a noite numa discoteca do Algarve a causar disturbios e depois vai para a praia..., na minha opinião não é para se bronzear.
E um autocarro leva 30 a 50 pessoas....

8:35:00 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

"mas não vi ninguém a queixar-se de ter sido agredido"
Acha mesmo que os agredidos aparecem na TV a mostrar a cara?
Meu caro, você tem muito que aprender sobre polícia...

8:37:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009