Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

o diálogo

A que Pacheco Pereira não goste de comentadores compulsivos e anónimos, nada a opor: afinal, o anonimato na Internet é tão fácil que, mesmo que não fosse mais nada (e é-o), seria de um extremo mau gosto. O que choca no artigo que ele escreveu para o Público de quinta-feira (transcrito aqui por Eduardo Pitta, também ele dono de um blog sem caixa de comentários) tem a ver com o facto de a sua condenação de personalidades revelar algo de marcadamente auto-suficiente, absolutista, monopolista e devorador na sua própria personalidade. O que não deixa de ser interessante, principalmente quando este recente artigo explicou recentemente que não é nos blogs de maior audiência que a interacção (lembro que estamos na InterRede) tende a ocorrer.

Por natureza, tendo a não gostar de pedidos exagerados de respeito; acho, precisamente, que as ideias avançam quando se supera o supérfluo. Quando o blogger Pacheco Pereira inventa um dispositivo chamado “O Abrupto feito pelos seus leitores” para, resumidamente, publicar comentários que lhe chegam por via indirecta (correio electrónico), está a assassinar o diálogo à partida. Ou seja, o blogger, que deveria ser uma personalidade identificada e dialogante, uma voz que se afirma numa conversa entre pares, torna-se editor dos demais. Quer Pacheco Pereira queira, quer não, publicar no Abrupto comentários alheios é diferente de deixar que o leitor deixe um comentário directo – a imediatez e a personalidade perdem-se na primeira alternativa. Quando publica o correio dos leitores, está apenas a premiar textos.

Não se percebem os argumentos do eurodeputado. Afinal, não é tantas vezes legível nos comentários dos leitores do Abrupto a mesma “procura de atenção” e “pulsão psicológica para existir”que Pacheco Pereira encontra nos comentários a blogs alheios? Não será essa atenção e essa afirmação de personalidade que leva o próprio Pacheco Pereira (tal como qualquer outro autor) a publicar um blog enquanto parte da sua acção criativa e da expressão de um pensamento que se dispersa por tantas publicações e programas? E não é possível regular o “Faroeste da Rede” (“insultos, ataques pessoais, insinuações, injúrias, boatos, citações falsas e truncadas, denúncias”) através da simples moderação da caixa de comentários? Eu próprio já me debati com esse problema e não vejo porque não se deve, apesar de tudo, manter a fasquia alta: um comentário discordante e violento pode, mesmo sendo anónimo, ter valor (se não o tiver, elimine-se: é mero bom senso). Mas não percebo como alguém que há meses escreveu sobre o caso das caricaturas de Maomé desta e desta maneira pode ser tão choramingão com a “tradição nacional de maledicência”. Qualquer pessoa pode ter muito boas razões para dizer porque é que outra é uma besta e qualquer pessoa pode ter interesse em lê-las. Enquanto autor num meio aberto, opino pelo encorajamento do choque, seja ele comigo ou com outra pessoa qualquer.

A Internet de Pacheco Pereira é uma em que cada um tem o seu blog, espaço de publicação próprio, e em que a interacção se deve necessariamente fazer por meios indirectos como o e-mail? Peço desculpa, essa não é a minha Internet. Pacheco Pereira sabe, com certeza, existir na Rede, mas saberá existir em Rede? Se me ler, convido-o a responder. Não precisa de me mandar um e-mail, pode deixar um comentário aqui em baixo ou escrever uma resposta no seu próprio blog. É bom entrar em diálogo, Sr. Dr. Desafio-o a experimentar.

4 Comentários:

Anonymous João Pedro Pereira disse...

Caro Nande,

O texto em causa (que, aliás, está no blog do próprio Pacheco Pereira) já suscitou também algumas reflexões - e algum debate - no meu blog.

Um dos pontos bem apontados por uma das pessoas que comentou na minha "caixa de comentários" é a existência de "várias blogosferas". Aquela em que Pacheco Pereira se move é muito diferente daquelas onde tu e eu estamos e é, também, muito mais propícia à necessidade de supervisão e moderação de comentários.

Quanto a isso não há grande argumento: espaços para comentários em sites bem conhecidos que tratem temas controversos tendem a tornar-se pequenos chats que pouco mais produzem que ruído.

A questão parece-me, e tu próprio o admites ("um comentário discordante e violento pode, mesmo sendo anónimo, ter valor (se não o tiver, elimine-se: é mero bom senso"), estar mais na selecção a priori ou na eliminação a posteriori.

Ambas as opções me parecem válidas e não vejo a mínima razão para que um blogger tenha que ter uma abertura dialogante na rede. Enquanto espaços pessoais que muitos ainda são, os blogs devem ser exactamente aquilo que os autores preferirem.

Quanto ao esquema de Pacheco Pereira para a participação dos leitores, não apresenta grandes diferenças relativamente ao esquema de selecção prévia de comentários que muitos bloggers populares usam. Nota-se é mais a presença da edição. O que não é necessariamente mau.

7:40:00 da tarde  
Blogger Ana_P disse...

Tenho por hábito afirmar - e hoje que é 25 de Abril, ainda vem mais a calhar - que a blogosfera é a expressão maior da Liberdade.

Aqui todos dizemos o que queremos ou achamos que devemos dizer, como queremos ou achamos que o devemos fazer: os únicos limites são tão só os nossos limites interiores... e, mesmo esses, são testados e expurgados de tudo o que é meramente social, nestas caixas onde as ideias fluem só fundadas em si mesmas.

Por isso, não será de admirar que o resultado de tamanha liberdade seja precisamente o da demonstração da diversidade humana. Tal como na "vida real" - como se a blogosfera não o fosse também - há quem goste de se dizer sem qualquer tipo de interacção; há quem prefira o tom epistelográfico das palavras que se lêem, saboreiam e só depois se respondem e há quem prefira a aventura da genuinidade de um diálogo fluído que desafia e constrói...
E, pegando nas palavras do João Pedro Pereira, a inclinação para uma destas formas de "bloggar" "não é necessariamente má".

Mau é, porém, já, desprestigiar e desprezar as restantes formas de viver a blogosfera, como se fossem formas menores. É isso que choca no texto de Pacheco Pereira: a altivez das palavras, expressão, de facto, senão de uma personalidade, pelo menos de uma perspectivação do Mundo "auto-suficiente, absolutista, monopolista e devoradora", em síntese, muito pouco respeitadora da Liberdade maior que a blogosfera permite!

E, por agora, fico-me por aqui, sob pena de ser denunciada como "troll" dos tempos coevos!

1:00:00 da tarde  
Anonymous jorge disse...

Ana, não posso deixar de concordar contigo. No entanto, como de costume, JP, tenho algo a apontar às tuas observações: a questão não é a selecção a priori ou a eliminação a posteriori de comentários, mas o carácter mesmo, a filosofia, se quiseres, que está por detrás da concepção do espaço. Obviamente, não ponho em causa a liberdade de o fazer ou não, era o que faltava – este é um debate de ideias.
Eu opto por ter uma caixa de comentários porque não encaro a Internet como um espaço "de" alguém, a menos que seja um espaço "de todos". Digamos que A Peste é a minha sala aberta ao público, o meu pequeno bar, e, muito prosaicamente, recuso-me a "reservar o direito a admissão". Ao fim e ao cabo, é uma questão exterior e prévia ao blog - é uma questão filosófica.

3:09:00 da manhã  
Blogger AG disse...

Palhaço!! És um palhaço azul de chinelas , plagiador de letras supostamente elegante e pensante!
Pega na tua ovelha gonorreica e raspa-te!
Não te queremos aqui!!
88

2:54:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009