Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

os clássicos

Sempre que ouço esta conversa, fico em dúvida. Afinal, é preferível perder almas no processo de levá-las a ler calhamaços que não compreendem, porque não lhe estão próximas, ou fazê-las pensar? É que isto parece-me realmente mais importante. Há obras que constroem uma base para o cumprimento da cidadania e permitem a transferência histórica, de geração em geração, de valores mínimos que permitem à humanidade continuar a sê-lo, no funcionamento social, na actividade estética, na linguagem. Mas de que adianta espetar aos miúdos a história do Dom Quixote se eles não se sentem próximos dela? Entra aqui a importância das adaptações. Dantes havia as versões de João de Barros, hoje há os desenhos animados (a propósito, foi animada a minha primeira versão do Quixote). É um caminho. É que as obras pelas obras não valem nada se quem as lê não perceber a relação entre si mesmo e o que lê. Se isso não acontecer, a obra não lhe vai servir para nada: o muro entre um e o outro será intransponível. E depois? Ficamo-nos com as boas intenções e o "nós tentámos"? Não podemos cair no risco e na patetice de sobrepor o conhecimento do passado à compreensão do presente; aquele está, afinal, contido neste. Chegar até ele é, no fundo, questão de raciocínio, de tempo e de reflexão. Até pode ser que os miúdos venham a ser letrados engravatados de academia, mas, por favor, não os tentem seduzir com essa imagem.

3 Comentários:

Anonymous Anónimo disse...

"Dantes haviam as versões "??? Ai esse português, ai esse português... Está a precisar de ler uns clássicos.
JPL

5:23:00 da tarde  
Anonymous Jorge Vaz Nande disse...

"Touché", mas, ora essa, bastou uma correcção rápida que se poderia ter corrigido com uma segunda leitura não negligente. E, quanto aos clássicos, longe de mim negar a sua leitura: simplesmente, questiono o modo de como fazer miúdos em idade escolar chegar a ela. Serão importantes para construir algo, mas cuidado para não pôr os tijolos à frente da obra.

5:54:00 da tarde  
Blogger Klatuu o embuçado disse...

Pense nisto.

O problema dos intelectuais é, de facto, o namoro com os clássicos (que muitas vezes nem leram) como se fosse uma obrigação elogiante. É um tique elitista, um divórcio com tudo o que há de natural e popular... porque para essa gente há «eles» e depois os «pobres famélicos de cultura» que não entendem as suas preclaras advertências. Mas «eles» são inconsequentes, patéticos e incultos.

Pensar! Pode ser ensinado a exemplificar com ovelhas ou tijolos.

1:03:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009