Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

os livros 4

Pergunto-me sobre a volta que isto vai dar a partir deste ano. Sim, meus amigos, porque isto vai dar uma volta. Não são só as pequenas editoras que, abundantes e unidas, terão poder reinvidicativo suficiente para fazer exigências e conquistar nichões de mercado. Não é só o engordamento da palavra "produto" na expressão "produto cultural" aplicada ao livro, que levará naturalmente a manobras de product placement - nada reveladoras, aliás, do conteúdo do livro em si mesmo, tal como não o é a actual falta delas. A volta que isto vai dar tem muito a ver com o iLiad, que já está à venda, e com o Sony Reader, que parece que vai ser ainda mais barato. Já cheira à guerra que vai começar nos próximos meses. Enquanto o neto de James Joyce se desunha para fazer render o espólio do avô antes que entre em domínio público, Jeff Jarvis anuncia que o livro tem de morrer para poder sobreviver. Claro, não ficou sem respostas, mas eu, que chego a pensar nos livros como promessas de algo bom em caixas, compreendo o que ele quer dizer (até o título... ou não respondi eu, a quem me perguntava o ano passado se estava nervoso com o lançamento da colectânea Jovens Escritores de que fazia parte, que "a palavra impressa é palavra morta"?...). O livro é, afinal, um património comum, mas é também um formato - e se esse património comum e a contribuição para a evolução do pensamento que ele promete se cumprissem satisfatoriamente num outro formato? Um que nos permitisse ler imediatamente traduções boas de obras clássicas sem ter que desembolsar uma maquia avultada por um calhamaço? Que nos permitisse pagar directamente ao autor a contribuição pela sua obra, anulando intermediários desnecessários. Que transformasse as editoras naquilo que elas tendem a deixar de ser - garantes de um certo padrão de interesse. Que nunca mais houvessem livros mal cosidos e que um uso esclarecido dos novos meios de comunicação nos esclarecesse quanto às nossas compras antes de adquirirmos más traduções ou cemitérios de gralhas (fóruns na Internet, que eu consulto sempre antes de fazer uma compra de valor mais avultado, são um bom exemplo). De resto, a batalha vai ser dura. Vai haver gigantes metidos ao barulho, vai haver muito sangue e, obviamente, não vai ser só sobre os livros.

0 Comentários:

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009