Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

o concerto

Preciso de dizer isto antes que me vá deitar, o amanhã chegue e a verdade perca a necessidade: Bob Dylan foi talvez o melhor que poderia ter visto no preciso momento em que o vi. Com "Lisbon" e a apresentação da banda como únicas palavras pronunciáveis e tudo.

Na segunda-feira, descobri que uma pessoa que conheci há anos nos Jovens Criadores teve um derrame cerebral - mas só porque um dossier sobre ela (faz de si a sua matéria artística, a valente) me veio em anexo num e-mail de divulgação cultural e só porque ela tem o mesmo nome que uma actual colega de trabalho minha que é também pintora, senão o mais provável é que nem tivesse aberto o e-mail.

Na quarta-feira, descobri que o meu vizinho do lado de há quase dois anos, nado e criado em Lisboa, namorou com uma antiga professora minha, nada e criada na Trofa e passada por Monção.

Ontem, descobri que alguém que conheci há anos nos Jovens Criadores - os mesmos em que conheci a pessoa de há dois parágrafos atrás - está a trabalhar no Ikea, mas só porque, por coincidência e à última da hora, lá fui.

Quando o Dylan tocou a "It's Alright Ma", todo o concerto se abriu para o público. Antes, o John Butler Trio só o conseguira quase no final, com um solo sobre-humano do baterista, mas ao Dylan bastou ter a banda toda a olhar para ele para saber as variações, repetir compasso atrás de compasso e murmurar as letras. E, ainda assim, houve um momento em que tudo aquilo fez sentido. A banda para trás no palco, como a de um cabaret, sem se querer mostrar, sem fazer de si própria o espectáculo, a ausência de palavrinhas gentis, o agradecimento final, sem vénia, sem nada, só a banda no centro, de pé, a olhar para o público que a aplaudia e eu sentia que aplaudiria aqueles gajos, aquele gajo, o tempo todo que eles quisessem ali ficar de pé. E o Dylan não me engana com aqueles olhos de ratito malandrão: depois daquela malta toda, velha e nova, cantar a Like a Rolling Stone ao mesmo tempo, havia ali sorriso mal escondido.

Não foi um concerto como qualquer outro quanto àquilo que pede ao público para ser e ao modo como lhe pede para estar. Mas, a partir de um momento, fez sentido. A partir de um momento, tudo faz sentido.

0 Comentários:

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009