Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

os efeitos

Ainda sobre o Efeito Borboleta e outras histórias, duas coisas curiosas aconteceram aqui.

Primeiro, é sempre uma surpresa boa ver, mesmo junto ao meu nome, o do amigo João Sousa André, antigo comparsa de séries e outros bês.

Segundo, as divisões no meu texto devem-se ao facto de, como é habitual, ter lido distraidamente as regras do passatempo e, por isso, ter acabado por editar um texto que era maior e indivisível. Não fiquei insatisfeito com o resultado final, mas, para prova e memória futura, aqui o deixo.

OS VOOS DOS MOSCARDOS

Um padre desliga a box da Tv Cabo, detonando uma bomba num jogo de futebol.
Um ciclista desconhecido procura o seu nome no Google, alimentando um ladrão de Moçambique.
Se Santana abre uma torneira, Durão derrama uma lágrima.
Um escritor de romances de amor é assaltado porque Francisco José Viegas se descalçou para sentir a textura de uma areia meridional nos pés.
Quando Conan O'Brien sobe para a sua mesa, uma sexagenária decide que vai recomeçar a fumar.
Eu toco uma campainha em Portugal e assim mato Kim Jong-il.
"Quem é que ele pensa que é?", diz uma vendedora de bilhetes em Santa Apolónia, e um homem dá um beijo na testa da filha gaditana. Chegou, por fim, essa hora.
A actriz olhou só mais uma vez para a Broadway, mas não deixou de haver tempestade no falso deserto de sal dos Andes.
Mãe, toca o orvalho no quintal só mais uma manhã - faz desaparecer o cocó de cão das ruas da minha cidade.
Tony Hoagland pensa em Frank O'Hara. Escreve, de uma assentada, três poemas. O mundo ganha uma hora de sono.
Eu aprendi a dizer "name-dropping" e, ups, duzentos operários fabris no desemprego!
O músico diz "não foi para isto que se fez o 25 de Abril". Nesse momento, o cocó de cão reaparece nas ruas da minha cidade.
Uma baleia engole um pescador indonésio 33 minutos depois de um primo distante (do homem, não da baleia) se imolar pelo fogo numa aldeia palestiniana.
Um homem chamado Joseph Grand decidiu imitar o seu homónimo do livro de Camus e pensa na frase que reescreverá no resto da vida porque, num cinema abandonado de Bombaim, um rapaz e uma rapariga beijam-se e choram ao mesmo tempo.
O padre liga novamente a box da Tv Cabo, impedindo que algo de interessante aconteça até 2011.
Em 2011, o mundo acaba, mas outro na fila logo lhe toma a vez.

1 Comentários:

Blogger JSA disse...

Foi um prazer ver que foste outro dos premiados Jorge e apenas me pergunto que fazem as minhas brincadeiras ao lado da tua escrita. Seja como for, grande abraço e aprecia o livro (eu começarei a lê-lo quando chegar a Portugal dentro de duas semanas).

Abraço

4:19:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009