Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

"A Paixão de Cristo"

finalmente, e a pedido de muitas famílias...

Ontem vi o filme. E, como objecto cinematográfico, tem coisas de muito mau gosto. A gota de chuva digitalizada, as cenas em "ralenti", a utilização do filme como instrumento de doutrina e de moralização com os flashbacks. Tudo isto diminui o valor do objecto cinematográfico e o da realização (que é, antes de mais e principalmente, concepção).

No entanto, parece-me um filme essencialíssimo. Gibson (que consegue aqui passar definitivamente à categoria de "realizador" na consciência colectiva) falha e cai no mau gosto precisamente quando pretende fazer com que não se perca a dimensão moral, porque o filme existe - esse é o plano em que sobrevive, o que o justifica na sua essência, o que revela a sua urgência enquanto narrativa - enquanto documento não de Cristo enquanto Deus, não de Cristo enquanto homem, mas sim de Cristo enquanto corpo. "A Paixão de Cristo" mostra-nos o corpo de Cristo e, por isso, é talvez o passo definitivo na tendência que a história de 2000 anos tomou desde o século passado, a de humanização da figura. Ora, o humano tem, em si mesmo, várias dimensões. A dúvida de Scorsese, a juventude de Jewison, tudo isso foi renovador, tudo isso foi um passo em frente. Gibson leva o Cristo-homem até ao ponto onde o Verbo não pode ser mais Verbo: até à pele, ao sangue, à carne e ao osso. É nisto que se concentra, é nisto que renova. Nunca a história de Cristo chegou a este ponto, nunca mais será Cristo tão pouco emanação.

Com todas as escapadelas místicas, com todas as câmaras lentas de mau gosto, "A Paixão de Cristo" explora o sentido das palavras na história universalmente conhecida da Paixão, história que, quando encenada nas aldeias por alturas da Páscoa, tem as paragens pontuadas com narrações breves do clérigo que descrevem o episódio. "Aqui Jesus foi chicoteado, pontapeado pelos soldados romanos" ou "coroado com uma coroa de espinhos", por exemplo. Nunca ninguém tinha tido a coragem de mostrar isto, a crueldade que sempre existiu nesta história e que as palavras, pela sua capacidade simbólica, escondiam. Para o bem e para o mal, e com todos os seus defeitos, Gibson foi o primeiro. Essencial ver, essencial.

0 Comentários:

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009