Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

O primeiro jogo do Euro 2004, na medida em que faz prever uma prestação não tão boa da selecção nacional, tem algo em comum com a morte de Sousa Franco: faz-nos pensar sobre o modo como estamos a fazer as coisas em Portugal ("Se a sua morte puder contribuir para se pensar de novo as formas de fazer política em Portugal, será mais uma das contribuições cívicas que deu ao país na sua carreira pública, diz Pacheco Pereira no artigo que, receoso de ver devorado pela pressa carnívora de nova informação, transpus para aqui).

tempos, confessei o meu espanto por uma carta de aparência muito formal que me foi enviada pelo Ministro-Adjunto e que eu, erroneamente, tomei por um aviso para as eleições quando, na verdade, era uma convocatória para me portar bem durante o Euro (um pequeno apontamento: pode-se confiar em governantes que se sentem na necessidade moral de assegurar a confiança dos governados?). Alguns dias depois, recebi um panfleto colorido que me informava do dever cívico no dia 13. Uma carta formal para o Euro, um panfleto colorido para votar. Não está bem.

Há semanas (meses?...) que me é atirada às toneladas para os olhos, dentro e fora de casa, publicidade com intervenientes do Euro. Os jogadores são-me apresentados como figuras nacionais ao mesmo tempo que correm, saltitam ou fazem caretas em cartazes e na televisão. O país é representado com um relvado gigante a cobrir as praias e avenidas. As pessoas sorriem.

Na Comunicolândia, tudo era alegre. Tudo estava a ser preparado para uma caminhada triunfal até ao pódio da glória que nos foi negado no último campeonato europeu pelos irredutíveis gauleses e que o punho de João Pinto e os alhos de António Oliveira assassinaram de violência e mau cheiro no mundial da Coreia. Havia bandeiras portuguesas nas varandas, dadas por jornais e quase oferecidas por hipermercados que nunca se lembrariam da bandeira nem que ela caísse do céu para lhes cobrir as carecas.

Eis que, de repente e sem que ninguém o previsse, uns gregos determinados e de defesa sólida marcaram golo. E o país, disse-se no Telejornal da RTP, "gelou ao sétimo minuto" para, diria eu, acabar o jogo partido no chão como o Exterminador de Robert Patrick.

Introduzo agora aqui uma conversa que tive há dias com alguém numa esplanada de Coimbra. O dia estava calmo e quente, passavam poucos carros, as pessoas conversavam. Esse alguém disse que do Rock In Rio, maior acontecimento musical de sempre em Portugal, não nos tinha chegado nada. O evento mais comunicado do ano até o futebol chegar (através da publicidade e da oferta massiva de bilhetes) não se repercutia até Coimbra - ou seja, metade da sua dimensão era criada na Comunicolândia. Exemplo: a organização confessou, dias antes do início do festival, que a venda de bilhetes, que ela pretendia luciferiana, acabou por ficar reduzida a um terço do previsto.

Agora podemos todos perguntarmo-nos quanto do levantamento de alegria da Nação existiria realmente e quanto não seria fabricação em ondas electromagnéticas. Tenho a convicção de que estamos divididos em meia-dúzia de fanáticos (ainda assim, com graus variáveis de consciência), uma grande percentagem de pessoas mais ou menos bem-dispostas que só querem divertir-se um pouco e um número de indiferentes suficiente para ultrapassar o de fanáticos (a não ser no fanatismo). A esperança do bom sucesso da selecção não existe enquanto acontecimento, foi criado na Comunicolândia através de uma estratégia de empolamento das vitórias certas sobre selecções mais fracas, como a do Luxemburgo e a da Lituânia, e de menorização das más experiências da Itália e, até certo ponto, da Suécia.

Esteve realmente o país "unido" a favor da selecção, o desígnio patriótico foi assim tão patriótico? E hoje, a tristeza é assim tão triste e imperativa? São duas da manhã e não oiço choros no meio da noite. Por isso, à esperança de Pacheco Pereira de que a morte de Sousa Franco renove a forma de fazer política em Portugal (ao fim e ao cabo, o que implica ela senão um dever de vergonha para o caciquismo local?), junto a de que este jogo, independentemente daquilo que estiver para vir, faça as pessoas parar e pensar naquilo que as merece. Porque, ao fim e ao cabo, aquilo que não as merecer não vale a pena.

0 Comentários:

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009