Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

Da decisão de Jorge Sampaio

Enquanto cidadão e nada mais do que isso, a decisão de Jorge Sampaio parece-me criticável de duas maneiras.

Primeiro, não acredito que Pedro Santana Lopes garanta qualquer estabilidade a um governo de que seja primeiro-ministro e opino que, sendo necessário marcar eleições antecipadas, mais vale fazê-lo agora do que estar a legitimar um governo novo com poucas hipóteses de sobrevivência. Sampaio guiou-se por um critério de dúvida razoável, sopesou as garantias de Santana de manutenção das grandes linhas governativas e decidiu pela via que lhe pareceu mais adequada. Eu não teria decidido assim. Contudo, respeito a opinião do Presidente da República. O que me repugna em toda esta situação não é o facto de haver um primeiro-ministro em quem não se votou, nem o facto de ele ter sido escolhido em Conselho em vez de em Congresso, Ana Marta. O Governo não é escolhido pelo voto - se calhar, custou-me mais ver as cabecinhas do Cds/Pp há dois anos a alcandorarem-se sorrateiramente a lugares de ministros do que isto – e não me parece que, tendo havido Congresso Nacional do Psd, os resultados tivessem sido diferentes. O que me custa é que o nome escolhido seja Santana Lopes – alguém em quem eu não reconheço qualquer garantia de estabilidade.

Segundo, Sampaio não deixa de chamar a atenção para o seu poder constitucional de dissolução da Assembleia da República até seis meses antes do fim do mandato “caso as orientações políticas da legislatura sejam postas em causa”. Ora, para o Presidente da República sentir a necessidade de manter esta hipótese em aberto, só podem haver duas justificações: ele não está certo da sua decisão final; ele quer apaziguar e ao mesmo tempo justificar-se perante os sectores que preferiam a convocação de eleições antecipadas. O que não deixa de ser uma pena, pois fragiliza desde logo a imagem do novo governo (imperdoável, já que é essa mesma a decisão que permite o seu surgimento) e, desde logo, a de Sampaio, que revela mais uma vez uma irritante vontade de consenso a todo o custo.

No entanto, verdade seja dita, o Presidente foi extremamente cuidadoso ao lidar com as pressões partidárias durante o processo de ponderação. Terá agora que voltar a ganhar a confiança do Ps se quiser ter uma vida política pós-presidencial, mas as declarações de Ana Gomes parecem demasiado despropositadas, causadas provavelmente por uma reacção “a quente”. Não se pode dizer que a decisão de Jorge Sampaio seja pouco corajosa, que não tenha fundamento ou que seja completamente irrazoável. O Presidente da República optou por uma via conforme à sua maneira de compreender o seu desempenho do cargo e o aparelho de Estado, ou seja, fazendo prevalecer a força parlamentar sobre a sua. Tomou para isso o tempo de que precisou, ouvindo as críticas mais nervosas do Psd, e decidiu como decidiu sabendo o que isso iria significar para o Ps e para a sua imagem no seu partido de sempre. Se há coisa que Sampaio não foi, é Presidente da Direita. Também não foi, claro, Presidente de Esquerda. Tomou a sua decisão porque era a que lhe pareceu melhor tomar e tomou-a com o cuidado que lhe era exigível. Quanto muito, Sampaio foi ele próprio: querendo marcar a sua posição tanto como quem quer desaparecer, procurando a estabilidade mesmo que isso não seja credível.

Por fim, a demissão de Ferro Rodrigues, com fundamento algo atrapalhado, tem algo de muito parecido com a partida de Durão para Bruxelas. Na verdade, nada exigia que Ferro se demitisse, tal como nada exigia que Durão se demitisse. Ferro acabou desta maneira com todas as chatices que a sua liderança do Ps (nunca suficientemente forte, nunca suficientemente convincente) lhe trazia, tal como Durão se escapou às confusões e estorvos da política interna, principalmente a gestão da coligação com o Pp. Vital Moreira já se pronunciou sobre as prováveis consequências desta mudança.

0 Comentários:

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009