Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

Luta, autores e gato fedorento

O Dvd dos Gato Fedorento foi o produto cultural mais oferecido neste Natal e é provavelmente - digamo-lo sem vergonhas - o maior sucesso de vendas do humor/ficção nacional desde há... bem, desde sempre. O que há de curioso neste sucesso é que a popularidade dos Gato Fedorento foi feita mais através da Internet, com o seu blog e com a troca dos sketches através de sistemas de partilha de ficheiros e de gravação em cd's, do que da televisão. Confesso que me estou a guiar, talvez em demasia, pela minha experiência pessoal, mas posso dizer sinceramente que quase todos os fãs dos moços que conheço - incluo-me - conheceram-nos no écran do computador, e não no do televisor.

Os Gato Fedorento são a prova de que a partilha de ficheiros pode beneficiar o próprio autor. Mais, discussões como esta, que revelam os constrangimentos comuns à actividade criadora, revelam-nos o mecanismo oculto da indústria cultural, que se veste de intelectualidade e de interesse e nos vende os músicos, os escritores, os cineastas. É o trabalho destes, a obra destes que vamos ver, mas o dinheiro que nisso se empenha, e que devia servir para recompensar o esforço criativo, vai para as mãos de quem opera a respectiva estrutura comercial ou, pior, de quem se aproveita do seu poder de distribuição para a venda da obra. É imoral que distribuidores fiquem com 50% do valor total ou que haja concursos cujo prémio é a edição da obra pela entidade organizadora sem que daí resultem quaisquer direitos para o autor ou uma outra qualquer compensação.

A organização dos autores em estruturas colectivas, realmente garantes de influência e força reinvindicativa (não nos acanhemos com o vocabulário) e que, simultaneamente, permitam que eles se possam expressar de modo livre e legitimamente recompensado, é um passo inevitável a dar.

Afirmo com convicção: depois da saúde, da educação, da segurança social e tudo o mais, a luta que ganhará expressão no século XXI será pelo direito a uma comunicação livre, para além da liberdade de imprensa, e fortemente apoiada no acesso tendencialmente gratuito aos meios informatizados de comunicação por todos os cidadãos. Os autores devem, reinvindicando por si, começar assim a lutar por todos.

0 Comentários:

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009