Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

o professor de marcelo

No Público de quinta-feira, Eduardo Prado Coelho diz no primeiro parágrafo da sua crónica, referindo-se ao regresso de Marcelo Rebelo de Sousa à televisão, que ainda lhe hão-de explicar quais os motivos que levam a que uns sejam professores e outros, que também o são, não o sejam.

Importa mesmo reflectir sobre o que leva a que toda a gente se tenha habituado a chamar professor a Marcelo. É nessa reflexão que Prado Coelho falha, porque há mais no fenómeno do que a simples imposição do hábito pela televisão a que ele alude. Graças ao óbvio à-vontade de conversa, à boa aparência e à falta de relutância em fazer de pormenores da sua vida pequenas anedotas públicas (o número de livros que lê, o gosto pelas actividades desportivas, os sonos abreviados), Marcelo conseguiu criar uma personagem pública, que corresponde sem tirar nem pôr à figura do Professor, a presença tutelar e afável que a comunidade aceita para que lhe guie o pensamento. Ou seja, Marcelo é o professor, não simplesmente porque assim era chamado, mas porque foi naturalmente aceite enquanto tal pelos espectadores. Não deixa por isso de ser curioso que, nos seus tempos na Tvi, ele falasse na noite de Domingo, mesmo antes da semana nova começar, e um pouco em jeito de Homilia. Marcelo falava do país ao país, como o padre ao seu rebanho, dizendo o que estava mal e o que estava bem, ensinando o que dizer, o que pensar, o que ler, o que ver, como opinar.

É também por isso que Prado Coelho se engana quando, mais à frente na mesma crónica, indica como necessidade para o novo modelo de entrevista a Marcelo, na Rtp, que este se limite e que Ana Sousa Dias, a interlocutora, se afirme. Engana-se porque uma das condições do “teatro Marcelo” da Tvi era a mediocridade do interlocutor, que, como encarnava o espectador, apenas se podia permitir ligeiros comentários que mais não eram do que confissões de ignorância e de humildade perante a sapiência e argúcia do mestre. A necessidade que Prado Coelho revela não é partilhada pelo espectador que Marcelo teve até agora, pois esse quer apenas uma sumidade que desça ao seu nível para lhe explicar as coisas; ou seja, é uma necessidade de um espectador com os padrões de exigência de Prado Coelho. Mas não foi ao nível intelectual deste que o fenómeno Marcelo foi criado. Portanto, Marcelo, enquanto aquilo que foi, já está morto, porque a Rtp quer mudar, sem deixar de emular, o modelo anterior, mas não percebe que Marcelo não funciona quando posto a um nível de igualdade com outra pessoa, pois isso não é ser “o Professor”. Por outro lado, Ana Sousa Dias tem a entrevista no sangue e é uma especialista em deixar o entrevistado revelar-se, o que não resulta com Marcelo, pois ele não precisa que lhe digam para se revelar. Ou seja, este modelo é como ter uma pessoa que não deixa a outra falar porque lhe está sempre a pedir para falar, o que, convenhamos, não é bom.

0 Comentários:

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009