Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

frança e os outros

Os distúrbios em França não são diferentes de fenómenos anteriores que ocorreram em Portugal, como o falsificado arrastão de Carcavelos ou, até certa medida, os incêndios de verão. Com o primeiro, eles têm em comum o facto de revelarem o eclodir de frustrações entupidas já há muito, com particular expressão nas novas gerações descendentes de imigrantes. Curioso é o facto de o alvo prioritário da ira dos excluídos da sociedade de opulência ser, precisamente, a propriedade, que aquela gosta de lhes acenar na cara como meta inatingível, e curioso também é o modo quase irracional e profundamente intuitivo como essa destruição é para os amotinados o modo de expressão natural do seu desconforto - como se procurassem arrancar das mãos daquela sociedade a arma com que ela os humilha, independentemente dos custos (a perda de empregos e das infraestruturas que os proprios amotinados utilizam, como os campos de jogos). Esclareça-se, porém, uma diferença: o arrastão existiu só no medo da classe média, os distúrbios existem fisicamente e, medo dos medos, não dependem de nada a não ser do ódio, ao contrário dos motins estudantis de 68, que dependiam da paralisação dos sindicatos.
Com os incêndios de Verão, os distúrbios têm em comum a revelação de um interessante elemento da consciência social: o da cidade como reservatório da riqueza e, portanto, com prioridade máxima de protecção. Tal como o alerta só soou verdadeiramente quando o fogo, este ano, entrou nos subúrbios de Coimbra e Viana do Castelo (o que teria sido se fosse Lisboa...), também aqui se colocou a fasquia nos carros a arder no interior de Paris. Até aí, o assunto era do subúrbio e a vida podia continuar. Esta guetização silenciosa apenas permite uma conclusão: uma sociedade (burguesa) que tem como fim o conforto e como meio uma economia falha quando essa economia depende de se excluir uma parte substancial da população desse conforto.

0 Comentários:

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009