Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

a praxe

Volta e meia, lê-se sobre praxe. Nesta volta, trata-se de um artigo que faz um retrato do praxista conimbricense. O problema do artigo do JN é que deixa o caminho aberto a generalizações escusadas. Não quero defender ninguém para além daqueles que merecem uma defesa: compreendo a indignação do Francisco José Viegas, mas é injusto (principalmente para os "por centos" que restam depois de descontada a ignomínia) criar o retrato do "estudante" ou do "praxista" com base nisto, tal como seria criar assunções sobre todos os jornalistas com base nas opiniões recolhidas da percentagem de uma percentagem (ou não há divergências de opinião entre as redacções de desporto e as de cultura?, entre os regionais e os nacionais?, entre os diários e os semanários?). E não é que eu não ache uma perda de tempo - uma excrescência cultural, se se quiser - "desfiles de carros alegóricos, bênção das pastas, missas em descampados (com meninas pintadas à pressa, vestidas de homem, de cabelo escorrido), queima das fitas" e o demais. A questão que fica é se as pessoas não terão direito a essa perda de tempo. É que, apesar de tudo, ainda vai um passo entre tudo isso e um acto de coacção e agressão relativamente ao outro. Enquanto esse passo não for tomado, julgo que devo guardar o meu descontentamento para mim. E depois, ainda estão estas palavras assertivas do próprio Rui Bebiano, autor com Elísio Estanque, do estudo que deu origem ao artigo do JN.

1 Comentários:

Blogger Emanuel Graça disse...

Caro Nande,

Não posso concordar mais contigo. Será que o indivíduo não tem direito ao lazer, aos momentos de pura diversão, sem motivação mais do que a mera alegria de estar prestes a terminar uma etapa? Serão rituais básicos, quase pagões tendo em conta que se passam no interior das portas das doutas cátedras universitárias, é certo. Mas não era Hemmingway um conhecido amante da farra sem sentido? E Picasso? e Warhol? E Pessoa? E...

Quanto ao resto, ignorantes são os confundem praxis (tradição) com justificação para actos violentos e escape de frustações pessoais. Ainda assim, tenho pena que seja sempre Coimbra a surgir associada a esse tipo de práticas, quando é sabido que em muitos politécnicos recém-criados por esse Portugal fora se pintam caras e obrigam caloiros a chafurdar em estrume.

8:58:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009