Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

a histeria

Da Holanda, o João André não compreende a histeria à volta dos Morangos com Açúcar. Caro João André, mesmo em Portugal é difícil perceber. No entanto, deixo-te algumas achegas: o fenómeno à volta da morte de Francisco Adam não deve ser entendido tanto como um sinal de luto colectivo, mas antes como uma maneira de concretizar no plano real o que até aí só existia no plano ficcional. Ou seja, o embrenhamento por parte dos espectadores dos Morangos com Açúcar (não só jovens, nem todos os jovens) no enredo e na "realidade ficcionada" da série acaba por implicar a exigência de algo concreto, que sustente e justifique esse mesmo embrenhamento. O funeral de Francisco Adam, no que toca a essa exigência, foi tão real como a sessão de autógrafos que ele tinha dado antes de morrer, com a vantagem de fazer apelo a sentimentos fortes (angústia, tristeza, revolta - para mais, aconselho seriamente ler "A Grief Observed", de C. S. Lewis). Na generalidade, foi isso - partilhar a realidade dos Morangos com Açúcar como sendo mais uma personagem - o que levou todos aqueles miúdos à cerimónia, o que, por seu lado, levou aos evidentes desvios da pose: os fãs tiraram milhares de fotografias aos actores presentes. A pessoa de Francisco Adam, triste ironia, não importa nada, foi só um pretexto para um happening.

De resto, os Morangos com Açúcar - e ninguém me tira isto da cabeça - conseguem marcar pontos com o horário: são a típica série de fim de tarde, que se mete na cabeça das pessoas por dentro dos lençóis da preguiça e do cansaço. Ou seja, é plástico mostrado numa altura em que o espectador está particularmente susceptível à visão de plástico.

3 Comentários:

Blogger agarb disse...

concordo
um plástico que nos é revelado na hora em que estamos completamente mortos e "engolimos" qualquer coisa

12:00:00 da manhã  
Blogger JSA disse...

acho que não andei longe dessa interpretação:

«Para eles foi um amigo, e por ele choraram.»

«As crianças terão levado a interacção com a novela mais longe. Não só choram a morte de um amigo como sentem a mesma dor de outros amigos. Num mundo de realidade virtual, interacção mais profunda seria impossível. Raia o histerismo»

Estas foram frases em que abordei também a tal «maneira de concretizar no plano real o que até aí só existia no plano ficcional». Claro que não conclui, não cheguei a uma conclusão, passando pelo horário e pelo plástico, mas também seria difícil fazê-lo não podendo observar in loco o fenómeno.

Obrigado pela achega Jorge.

1:17:00 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

o francisco adam foi uma pessoa boa para as criancas a morte dele levou a ke miutas dessas chorassem e ficassem revoltadas !!!!! nao digam parvoisses o francisco adam ta pa sempre comigo e com todos os seus fas

1:57:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009