Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

o riso

Uma vez, vi uma curta-metragem, belga ou suiça, de escola (muito melhor do que a generalidade de curtas-metragens feitas em Portugal). Não era exactamente uma comédia e, no entanto, foi um dos filmes mais engraçados que já vi. Num autocarro cheio de gente soturna a fazer a viagem matinal para o emprego, um riso inexplicável rompe. As pessoas procuram, espantadas, a origem do riso e encontram um homem de meia-idade, cabelo grisalho, casaco escuro. Está sozinho e é claro que se limitou a deixar que o riso rompesse, sem mais, porque se lembrou de alguma coisa engraçada. As pessoas voltam a pensar em si próprias, mas o homem não pára de rir: cada vez mais, cada vez mais, sem conseguir parar.

De repente, alguém cede e um segundo riso começa a ouvir-se. Duas pessoas riem-se incontrolavelmente no autocarro. Os outros passageiros ficam intrigados, começam a não ter escapatória. De um momento para o outro, o riso entra em bola de neve. Toda a gente se ri. As gargalhadas amainam de vez em quando, parece que vão parar - e recomeçam, porque ninguém consegue resistir. Ninguém.

O autocarro pára num apeadeiro. O homem de meia-idade sai. O autocarro vai-se embora, espalhando o riso pelo caminho. O homem de meia-idade sorri. Um novo autocarro pára. Ele entra, senta-se e, depois de alguns segundos, começa a rir-se novamente. O filme acaba.

A andar no Metro de manhã, com o rosto ainda contaminado pelo sono, a olhar para outros rostos contaminados pelo sono, lembro-me cada vez mais neste paladino do riso. Talvez não fosse difícil, penso, talvez não fosse difícil.

1 Comentários:

Blogger Paulo Aroso Campos disse...

Engraçado, isso lembra-me um sketch do "Gato Fedorento" com a frase "parece q vais tirar o pai da forca" e uma viagem no metro de Paris que, ao ouvir um choro continuo de uma criança, me lembrei da frase, do sketch, e imitei o homem de meia idade ao rir com nada...
É optimo esse tipo de crises e de contágio ;)

4:25:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009