Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

o monólogo

Para além do stand-up, há outras formas de monólogo cómico norte-americano bem interessantes e que ainda não foram aproveitadas cá. Três nomes: Eric Bogosian, que já passou por Portugal e teve ainda recentemente o seu "Wake Up And Smell The Coffee" feito por Tiago Rodrigues no bar do Maria Matos; Spalding Gray, que começou um tipo de monólogo tragicómico, em tom confessional e sentado à mesa, que serviu de influência a vários artistas que lhe seguiram (incluindo o próprio Bogosian); David Sedaris, que começou a carreira aos 26 anos com The SantaLand Diaries, um relato na NPR sobre a sua experiência enquanto duende natalício nos armazéns Macy's.

As diferenças deste tipo de espectáculo para o stand-up são a motivação e a forma. No monólogo (ou neste tipo de monólogo), não se procura necessariamente a gargalhada em ritmo da piada, por um lado; por outro, há um enfoque muito maior em desenvolver uma história. A seco, eu diria que o que no stand-up depende da persona, aqui depende do texto (Sedaris, Spalding, Bogosian, todos escritores), que é o mesmo que dizer que, se um comediante de stand-up pode safar um mau texto, um bom texto pode safar um mau monologist; ainda mais a seco, diria que a diferença principal é a do que se pretende da audiência no que toca a ritmo e tipo de participação. O monologist está mais próximo do contador de histórias, enquanto que o comediante de stand-up está mais próximo do palhaço do circo. Mas, é claro, nenhuma destas classificações é pura.

Isto vem no seguimento de Mike Daisey, um monologist, ter sido recentemente vítima de um protesto parvo (e não me ocorre outra palavra ao ver o vídeo).

Reparem no modo como Daisey tratou o acontecimento. Primeiro, ficou surpreendido. Depois, tentou interpelar as pessoas que lhe despejaram água sobre o outline do show, mas nenhuma lhe respondeu (como diz o próprio Daisey, "usually, terrorists say what they want"). Daisey zangou-se, mas depressa voltou ao palco para continuar o show de cabeça fria e integrando o que acabara de acontecer numa conversa com o público restante. No fim do vídeo, vemo-lo a retomar o monólogo - e aí percebemos: isto não é treta. É um espectáculo teatral com princípio, meio e fim, que se dá às pessoas em troca do dinheiro do bilhete. Não é por estar sentado que um monologist é menos profissional do entretenimento - e aqui Daisey mostra-o muito bem.

0 Comentários:

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009