Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

o xamã

Um excerto de uma carta de Bill Hicks a um padre.
Se a comédia é um escape de alguma coisa, é-o da ilusão. O cómico, ao usar a Voz da Razão, lembra-nos a nossa Realidade Verdadeira e, nesse momento de reconhecimento, rimo-nos e a realidade da monotonia diária mostra-se como realmente é – irreal… uma piada. A verdadeira comédia transforma os círculos em espirais. O cómico atravessa habilmente e sem medo o que antes parecia um muro cansativo, assustador ou frustrante, provando a sua total absurdez. O público sente-se aliviado ao saber que não está sozinho em pensar “Esta treta que vemos e ouvimos o dia todo não faz sentido. Certamente não sou o único a pensar assim. E certamente deve haver uma resposta…” A boa comédia ajuda as pessoas a saber que não estão sozinhas. A grande comédia fornece-lhes a resposta.
Os grandes cómicos, os que transcenderam ao mesmo tempo tanto as suas próprias noções pré-concebidas como as do público, têm que respirar um ar muito rarefeito. Nesse momento, o cómico é uno com o público. Ele é um canal, vazio de si próprio, mas, ainda assim, cheio de maravilhamento e alegria e criação – pois estes são os frutos que a Voz da Razão ostenta. A Voz da Razão está em todos nós - e é a mesma voz a que está em todos nós. E, quando fala, é ouvida por todos e toda a gente a pode reconhecer, porque faz sentido e toda a gente beneficia dela… de igual modo. Não há lados negativos. Não é preciso esperar por mais nada.
Este nosso mundo é, tem sido e será sempre uma merda de uma piada. O mundo real existe para além do véu que o cobre, e o Artista, todos os Artistas, levantaram esse véu por si mesmos e, portanto, por toda a gente, porque, na verdade, nós somos só Um. (A propósito, Larry, é precisamente esta filosofia que me manteve praticamente anónimo na América durante quinze anos. Hmmm…) (Talvez deva pintar o cabelo de azul e passar a chamar-me Sorvete. Aí é que seria mesmo popular!)
Foi isto o que me confundiu, mais uma vez, quanto à ideia de eu não ter um “tema unificador”. Razão vs. Sem-razão, Sanidade vs. Insanidade, Bom Senso vs. Disparate não é um tema? Persuadir, aliciar, convencer o público a entrar comigo sem medo na minha viagem interior não é um tema? (Particularmente uma viagem interior como a minha, que, para os provincianos, deve parecer, de início, bastante profana?) Qual era o “tema unificador” de Richard Pryor para além do seu ponto de vista idiossincrático? E quem o disse primeiro e melhor? Não, não foi um comediante. Desiste? Foi Lenny Bruce. Eu sou o meu próprio Tema Unificador, Sr. Cristão, e, infelizmente, não existe rótulo, livro ou bordão pelo qual chamá-lo (“Crítica Social” não está muito longe do alvo.)
Sabe, muitos críticos compararam-me a Lenny Bruce e muitos perguntaram-me o que essa comparação me faz sentir. A minha resposta é sempre a mesma. Antes de mais, como não fui eu a fazer a comparação, não tenho que a justificar. Mas, para responder à pergunta com sinceridade, eu sinto mesmo que somos similares. Somos similares na medida em que ele era ele próprio em palco e eu sou eu próprio em palco. Do mesmo modo que Richard Pryor era ele próprio, Charlie Chaplin era ele próprio, Buster Keaton era ele próprio, W. C. Field era ele próprio. A única questão pertinente sobre o trabalho destes homens é – era engraçado, porra? (Mais, eu estava a fazer um show de comédia, não um teste de final de semestre).
O Sr. acabou o seu texto sobre mim com o sentimento mais desconcertante relativamente a um cómico que alguma vez ouvi “… Como vamos alguma vez saber se o Sr. Hicks é profético ou apenas um demente?” DEMENTE!? (Seguramente, o meu show não lhe recordou o do Professor Irwin Corey.)
Quando é que, na história da crítica de comédia, algum cómico foi alguma vez colocado nessas posições? Um profeta! Um demente! C’um caraças! (Ainda estou a dar voltas na cama à conta dessa.) Pense nisto, Larry. Se está disposto a colocar-me num posição tão inacreditável como a de profeta ou disposto a rejeitar-me como um qualquer demente, seguramente compreende o meu desejo de que reavalie exactamente aquilo que eu faço. E eu acho que tem razão quando diz que podíamos os dois aprender algo um com o outro com mais diálogo. Aparentemente, não é claro para muitas pessoas o que é que faço, portanto, sabe que mais? Vou assumi-lo e dizer-lho. Nada de enrolar. OK, aqui vai… eu, como todos os artistas nas culturas ocidentais, sou um xamã. (Já agora, isso fica algures entre profeta e demente… mas muito mais próximo do profeta.)
Pronto, aqui tem. Eu sou um Xamã que se disfarça de cómico para curar a percepção pelo uso de histórias e “piadas” e sempre, sempre, sempre, da Voz da Razão, de modo a que as pessoas possam ter Esperança e Paz através da cura das suas interpretações erradas. Eu sou um xamã e o meu objectivo é… rufo de tambor… ser eu próprio! E o esforço que isso implica é… outro rufo, por favor… nenhum! E a minha mensagem é… rufo de tambor seguido por choque dos pratos… Sê Tu Próprio. Eu sou um xamã, um curandeiro e a verdade é o meu remédio. O riso faz com que, para alguns, o amargo engolir da verdade seja um pouco mais fácil.
Nós vivemos num mundo de negação, Larry. E o xamã surge para nos lembrar da nossa Verdade. Os xamãs vêm em muitas formas e feitios. A forma em que eu vim – eu – expressa-se melhor através do infelizmente limitador rótulo de “cómico”. Sim, deve ser confuso para alguns. Raio, levou-me anos até perceber o que eu era. (Anos e anos e anos…) E sempre ouvi a mesma coisa dos “poderes instituídos” – “Nós adoramos-te, Bill, só não sabemos o que fazer contigo”. A sério? Hmmm… Acho isso muito engraçado, porque é óbvio que eles sabem o que fazer com os idiotas e os palhaços e os falsos e os sem-talento. Hmmm…
Mas as boas notícias são – eu finalmente percebi quem era e não persigo mais as (pontas de) cenouras e já não tenho que fazer mais habilidades. Eu só tenho coisas para partilhar com aqueles que estão dispostos ou interessados.
Deixe-me dizer-lhe que é um alívio saber finalmente quem se é! Literalmente, tiraram-me dos ombros o peso do mundo e agora eu vejo nova esperança e nova felicidade a nascerem todos os dias. E, estranhamente, novas oportunidades aparecem-me a toda a hora (“Sê tu próprio e o resto seguir-se-á”). É mesmo assim tão fácil. E que esforço é preciso para ser eu próprio?
Há muito tempo, um amigo advogado disse-me algo que achei muito sugestivo. Ele disse-me que a palavra Entusiasmo vem do latim En Theos, que significa – o Deus de Dentro. Por outras palavras, pensei para mim mesmo “faz o que te excita, pois essa excitação é Deus a dizer-te – ‘estamos no caminho certo, e estamos juntos, e é divertido!’” E tem sido divertido para mim nestes últimos anos, e está a ser cada vez mais divertido todos os dias.

1 Comentários:

Blogger Sandra Griffin disse...

Aloha,

There is a link to our website, Hawaiian Beach Rentals, on this post.

Can you please remove the post or just our link?

Best regards,
Sandra

3:59:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009