Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

Sobre os últimos tempos de Coimbra

Na verdade, a questão mais importante não é a de os estudantes fazerem bem ou mal ao impedir a entrada na Reitoria. Nem a de haver cadeados que bloqueiam a entrada das faculdades e departamentos. Nem a de professores intentarem um processo-crime contra o presidente da AAC.

O que é mais importante, aquilo que fica escondido por trás de todo o folclore dos autocarros, dos cartazes, dos vão trabalhar malandros, é o facto de professores, alunos, funcionários e todos os demais membros da academia (o que, no caso da cidade de Coimbra, não é dificilmente extensível a todos os seus habitantes) tão facilmente se esquecerem uns dos outros e de desconhecerem a razão da sua função - e do seu bem-estar nela - na existência e no bem-estar nela dos outros. Ainda mais profundo do que isso é o facto de já mais ninguém acreditar. Existe-se, ponto; e o que é preciso é manter o ponto, certo? Sem motivos, sem ambições; ideais são coisas de herói. Os professores queixam-se que lhes pagam mal, que não têm salas. Os professores têm medo. Medo de sair das salas, medo de despegar os olhos do livro que têm por baixo. É com a cabeça baixa que murmuram "gostava de ganhar mais, dava jeito ter material didáctico". Têm medo a quem escreveu o livro. Não querem faltar ao respeito, não querem inimigos. Quem sabe quem conhece quem, quem se ofenderá. Não há dinheiro? Aguenta-se. Vai-se para as privadas. "Eu sei como o sistema funciona, ninguém dá nada a ninguém, e menos se dá a quem pedir, portanto, eu não pedirei". Não há salas? "Terei sempre uma cadeira para me sentar, do resto, virá quem vier, a aula será dada". Não há material nos laboratórios? "Uns fazem, os outros olham; depois trocam". As coisas resolvem-se, as coisas andam sozinhas. Não é preciso querer.

E os estudantes? Perdão, os de esquerda ou os de direita, de qual esquerda e direita, do Porto ou de Coimbra ou de Lisboa; e os que não falam, esses atinados, os que ficam à porta porque os maléficos dirigentes não os deixam entrar, os do eu quero é ter aulas, não me importo de pagar mais?

Tudo, tudo, as costas voltadas uns para os outros. Como se entende que um professor se permita fazer o papel ridículo de levar escondido debaixo do casaco um serrote para despedaçar uma corrente que está lá, antes de todos os seus vícios e em toda a sua ingenuidade, para evitar um retrocesso social (o fim da paridade de representação nos órgãos de gestão universitária, um aumento no custo de acesso a um serviço prestado pelo Estado)? Ambições de líder revolucionário? "Venham, meus pupilos, eu vos libertarei das malhas do obscurantismo! Pagaremos o que for preciso, todos nos deixaremos apagar no que de nós vive fora destas paredes, estas paredes que amamos, que abrigam a malha cuidadosa do nosso saber! Eu quero, posso e ensino, eu quero, posso e ensino!"

E depois: "nós até estamos do lado dos estudantes, mas isto é inadmissível. Isto é um ataque aos professores!". A solução. "Eles que falem, que prendam. O dinheiro vai entrar, se não for pelo lado de cima, é pelo lado de baixo. Não nos podem roubar a nossa maneira silenciosa de nos queixarmos. Eles podem pagar. Eles podem pagar, é o que interessa".
E a Constituição diz que incumbe ao Estado estabelecer progressivamente a gratuitidade de todos os graus de ensino. "Mas isso é um custo que se paga se se vir que tudo vai ficar melhor; estes alunos é que estragam tudo, mas nós reclamamos o direito de acesso ao local de trabalho, vamos trabalhar sossegados, mostramos como isto funciona bem e quem é de nos ajudar fá-lo-á. Depois, nada funciona bem; não importa mesmo nada, o que importa é nós esperarmos sempre que funcionará melhor".

Ferrer Correia morreu há dias. Numa das biografias, reli (soube-o aquando do trigésimo aniversário da Crise Académica do Maio de 1969) que ele e Paulo Quintela foram dos professores que mais intercederam junto da polícia a favor dos estudantes. Hoje, os professores querem que os alunos que lutam pelos seus direitos, pelos tão poucos que lutam pelos seus direitos (acentuo ainda mais a tónica desta frase: que lutam pelos seus DIREITOS), vão para a cadeia. Cheios de azedume, sem alternativas entre o cadeado e o silêncio. De costas voltadas. A academia existe? Ou a academia funciona? Existe, ponto. Está estática; é porque é. Não move os punhos em luta; deixa-se estar deitada enquanto metade de si rejeita a outra metade como que num ataque epiléptico. A academia não quer, a academia já não é o que era. Mas a academia existe, ponto, sim, e de costas voltadas, ponto, sim, ponto.
« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009