Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

respostas estacionadas - para Sérgio, I

Chegou a altura de continuar (finalmente, e agora que tenho algum tempo) as trocas de ideias que uma série de posts dos últimos tempos têm propiciado. Comecemos então pelo início.

Começou aqui o Sérgio a comentar a decisão do juiz de instrução Nuno Melo de não pronunciar nenhum dos acusados no caso da ponte de Entre-os-Rios. Irritam-te as pessoas que, tomadas de raiva ou de vã vontade de falar, dizem que a Justiça portuguesa é terceiro-mundista, caro Sérgio. Percorramos então os principais tópicos da justiça nacional. Condições sub-humanas nas prisões (por vezes, verdadeiros atentados à dignidade da vida humana, em que a República Portuguesa se baseia), atrasos injustificáveis nas decisões judiciais, tribunais a funcionarem em lugares pouquíssimo próprios (prédios de escritórios, edifícios degradados, falta de condições de arquivamento, falta de capacidade de atendimento físico, etc.), prisões preventivas a prolongarem-se para além do impensável, atrapalhações e demoras burocráticas, corporativismo e prepotência dos magistrados judiciais, falta de seriedade no relacionamento de advogados com os clientes e com os colegas, falta de confiança generalizada nos resultados da Justiça (com todas as consequências perniciosas de quem, desesperado, decide fazer justiça pelas próprias mãos)... não há algo (bastante) de terceiro-mundista a revelar-se numa decisão do Supremo Tribunal Administrativo que ordena o pagamento pelo Estado de uma renda mensal a um homem que espera há vinte anos por uma decisão para o caso em que perdeu tudo aquilo que tinha? Claro, ainda bem que temos instituições a funcionar que velam pelas que não funcionam e, mais importante, por nós. Mas há algo de malsão em tudo isto. Terceiro-mundista? Talvez, muito provavelmente, Sérgio.

Depois, no mesmo post, segue-se a tua inconformidade com o exagero e absurdo das intervenções no Fórum Tsf. Acredito que grande parte dessa tua indignação tenha vindo de uma amostra concentrada de opiniões exaltadas e a quererem fazer-se desesperadamente ouvir, independentemente da maior ou menor razão que poderiam ter.

Penso na Justiça enquanto ambição seminal, talvez utópica, de paz social (sem querer com isto pretender uma revisão de teses penalistas: mantenhamo-nos informais...), até porque a noção de “justo” implica, necessariamente, a invocação de referentes sociais (“o que é justo”, pergunte-se). Ora, tendo isto em conta, considero mais insultuosas do que as declarações precipitadas de pessoas menos informadas – apesar de tudo, a precipitação é um direito delas! – as decisões judiciais baseadas em noções estéreis e carcomidas, tantas vezes desactualizadas e infectadas pelo vírus do medo à autoridade, que tanto criticámos, eu e tu, na nossa passagem pela Faculdade de Direito. Certo, em Portugal gostamos de falar mal uns dos outros. Não elogiamos quando as coisas são bem feitas e preferimos perguntar porque não foram feitas de modo melhor. Mas não é esse um dos males necessários da sociedade democrática, da qual também fazem parte, para além das administrações, mesmo as instâncias judiciais que, sendo autónomas, também trazem consigo lastro de Estado no carácter, devendo estar assim sujeitas às críticas de cidadãos?

0 Comentários:

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009