Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

O milionário

Não tenho nada contra Bill Gates nem gosto de tomar a Microsoft, logo à partida, como o Demónio, mas a verdade é que a recente visita do milionário americano a Portugal teve algo de intrujice ou mesmo de humilhação. Por um lado, parece que se deu uma condecoração ao homem como se fosse um suborno; por outro, parece que se apalavrou a rendição total da informática estatal à Microsoft. Não é que eu não perceba as intenções de Sócrates – se a empresa norte-americana cumprir e disponibilizar as formações e os investimentos que prometeu, o potencial de aprendizagem tecnológica e, consequentemente, de inovação em Portugal poderá aumentar, mesmo que essa formação seja feito com óbvio intuito comercial (como um representante da Microsoft dizia ontem no Público, se Gates produzisse carros, fazia sentido que investisse para que mais pessoas tivessem carta de condução). A lógica será a de que o país beneficiará com o benefício da Microsoft. Mas não faria mais sentido que, numa altura de restrições orçamentais, o Estado transitasse para o software de código-livre, potenciando assim a investigação e o desenvolvimento de aplicações para o mesmo? A anunciada divulgação do código-fonte do Windows não se compara, pois não evitará o pagamento de licenças dispendiosas pelo seu uso, para além de ter sido motivado por razões judiciais. Será que o software de código-livre é visto pelo Governo como coisa de terceiro mundo? Talvez fosse bom olharem para Espanha e para o ambiente em que a Informática é ensinada nas escolas secundárias: Linux, que sempre fica mais barato e pode ser mais facilmente melhorado.

6 Comentários:

Anonymous pataphisico_azul disse...

Claramente o meu camarada nunca se sentou em frente a um computador funcionando com o sistema Linux. Se já, faca os calculos assim por alto: ficaria mais caro comprar o caro (mas seguro) Windows e gastar algum dinheiro a ensinar alguns funcionários publicos a usar as aplicacoes, ou instalar o baratissimo Linux e gastar rios de dinheiro a reensinar toda a gente a usar um sistema operativo que claramente nao é para principiantes nem para funcionarios públicos perto da reforma?

1:42:00 da tarde  
Anonymous João Pedro Pereira disse...

Eu sou um entusiasta do open soure. Mas a verdade é que as coisas não são lineares e implementar um Linux a larga escala não é necessariamente barato.

1- É preciso pagar a alguém que faça o (quase de certeza penoso) processo de instalação e configuração.

2- Para além do que se paga, é preciso contabilizar o decréscimo de produtividade do período de transição.

3- Por outro lado(e é daqui que muitos dos fabricantes de distribuições retiram os seus rendimentos) é necessário pagar assistência técnica - está provado que os produtos informáticos são daquelas coisas que deixam de funcionar sem ninguém lhe mexer ;)

4- Por fim, há ainda o problema do software específico. Muitos serviços públicos usam programas desenvolvidos para um determinado efeito. Adoptar Linux implicaria pagar o desenvolvimento de novo software.

Quanto à utilização, não me parece que para tarefas básicas de office um Linux seja complicado. O interface é simples e o tipo de acções aprendidas no Windows servem perfeitamente para as tarefas básicas nas distribuições mais user-friendly.

3:13:00 da tarde  
Anonymous jorge disse...

Isso tudo, meus amigos, é muito certo. Mas a questão é: se mais governos começassem a utilizar o open source como solução prioritária, a evolução, simplificação, melhoramento e orientação para o consumidor deste não seriam também maiores?

7:18:00 da tarde  
Blogger Emanuel Graça disse...

Caro Nande,

A verdade é que o Governo português não vendeu a alma ao Demónio: continua a gerir de forma independente os programas que adopta. Portanto, o open source continua tão possível quanto antes. É uma questão de opções.

No entanto, a mais valia na sua adopção não é clara. Sem querer reproduzir argumentos já utilizados pelo João Pedro, não se torna óbvio a vantagem real da mudança senão num conceito esquerdista/independentista anti-conglomerados económicos (que não devem guiar a gestão feita pelo governo de um país).

Os norte-americanos têm uma teoria, a que chamam KISS (Keep it Simple, Stupid), que se pode adoptar aqui: face à nossa baixa produtividade nacional (abaixo da Grécia ou Chipre, como o comprova o DN de hoje - http://dn.sapo.pt/2006/02/03/economia/portugal_produtividade_debil_com_pot.html), porquê estar a mudar uma permissa essencial como é o sistema operativo utilizado pela máquina estatal? Para cairmos ainda mais?

Aproveitamos antes aquilo de bom (ou menos mau) que temos e gastemos energias a discutir o essencial e não o acessório!!!

9:59:00 da tarde  
Anonymous jorge disse...

Reproduzo aqui o comentário que pus a este post do JP:

1, 3 e 4 - As instituições públicas têm, a nível hierarquicamente mais próximo ou não, departamentos de informática, com técnicos especializados. Instalar, configurar, assistir e desenvolver novo software é o que eles fazem. Antecipando a réplica “ah, pois, mas será que eles sabem trabalhar fora do ambiente a que se habituaram”, contraponho: se não sabem, aprendem. É para isso que os nossos impostos lhes pagam os salários.

2- O decréscimo poderia ser minorado substancialmente se a transição fosse bem planeada. Não digo mais nada, é simples de entender num quadro em que o software desenvolvido tiver em conta as necessidades específicas do organismo que o utilizará e em que a formação for bem dada. Ou seja, o decréscimo não dependerá da mudança por si própria, mas do modo como a transição for implementada.


Quanto ao comentário do Emanuel Graça, nada a opor - é precisamente por perceber a necessidade de pragmatismo que disse que entendo as intenções de Sócrates. O que continuo, no entanto, a afirmar é que, se o objectivo é estimular a competividade e a inovação, o open source seria um campo muito mais lógico a incentivar, já que mais pessoas poderiam ajudar a criar mais desenvolvimento. Ou seja, compreendo o pragmatismo, mas o open source seria uma opção muito mais adequadas às prioridades que levam o governo... a um conluio com a Microsoft. Entendido?

11:22:00 da tarde  
Anonymous pataphisico_azul disse...

Meu caro Jorge, "se mais governos começassem a adoptar o open source", aí talvez. Mas vamos nós pagar para beneficiar os outros? Como disse o meu bom camarada, ainda por cima agora, "numa altura de restrições orçamentais"?

9:27:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009