Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

um conto para os leitores da peste

Andei a correr os arquivos e encontrei este conto que escrevi aqui há uns tempos já não me lembro com que fim. Aqui o deixo para vosso deleite - ou não!

O PARÊNTESES

Havia uma ou outra cara de universitário que se virava para ver as feições de Joaquim Nando enquanto ele não fazia mais do que aproximar-se do balcão e pedir uma cerveja. No palco, noite fraca. Só um cantautor local que, anos antes, em tendo vinte e seis, criara sensação, mas que agora, dentista e pai de dois filhos, limitava-se a tocar ao regabofe canções sem critério. Não espantava assim que Joaquim Nando, o crítico musical que escrevera o famoso artigo “Só um Homem” aquando do concerto único que Serge Gainsbourg dera na cidade, preferisse a cerveja à atenção. Também não espantava que os universitários preferissem Joaquim Nando à guitarra do cantautor, que, na verdade, parecia mais bêbedo do que eles próprios.

Depois do concerto, sentado no sofá da sua sala, Joaquim Nando estava descalço e bebia um copo de leite morno. Detesto cerveja, pensava, enquanto levava a mão à barriga e esfregava a azia. Sentia-se velho, tinha pêlos a crescerem em sítios novos e via pior. No ouvido, a fatalidade que esperava: cada vez mais preferia Bach a Bacharach. Já o percebera nos artigos que escrevia ainda para o jornal, crescentemente densos e inseguros, e pouco demoraria até que os leitores percebessem também. Naquele sofá, Joaquim Nando tinha a certeza de ser um homem condenado.
Olhou para a estante. Os livros estavam desarrumados, caídos uns sobre os outros como uma tempestade no mar. Joaquim Nando não o via, mas sabia que, por baixo de todos os demais, escondido de propósito para não ter que olhar para ele quando tivesse de ir consultar a enciclopédia, estava o calhamaço de Greil Marcus que Cláudia deixara a meio sobre a televisão no dia em que se fora embora. Cláudia, pensou, e esfregou um pouco mais a azia. Deixou o copo de leite a meio e foi-se deitar.

Horas mais tarde, uma cantora pop dos anos 80 olhava para as luzes das fábricas no outro lado da ria enquanto tentava caminhar pelo breu das pedras do quebra-mar. Havia pescadores com canas empinadas, que discutiam em voz baixa se ela era mesmo ela. No entanto, Cláudia não os ouvia. Os pés falhavam-lhe de vez em quando, ela tropeçava. Lembrou-se do concerto em que se tinha despido para Serge Gainsbourg enquanto dançava e lembrou-se de, no fim, ter preferido Joaquim Nando ao cantor cabeça-de-couve. Dançar e despir-se e ninguém que a censurasse: bem melhor do que aqueles pescadores estúpidos com as línguas penduradas e as mulheres à espera em casa. Mas a fama acabara-lhe cedo demais.
Cláudia parou e olhou a água. Pensou no que fazer e, como todas as noites, lembrou-se: há livros ainda que não li. Levantou a cabeça: o céu clareava. Há livros que ainda não li, outra vez, um eco dentro dela. Suspirou. Caminhou de volta para o carro e entrou nele. Estava frio. Esfregou os braços com as mãos, acendeu um cigarro e arrancou, passando pelos pescadores como se, afinal, eles não existissem.

2 Comentários:

Blogger tiago pimentel disse...

Perdoa-me o atrevimento, mas queria fazer-te uma pergunta... Até que ponto é este um conto autobiográfico? Qual é a distância que separa o Jorge Nande do Joaquim Nando? Se não quiseres estar a responder aqui, podes sempre responder-me para o mail.

Um abraço!

9:13:00 da tarde  
Anonymous jorge disse...

Nenhum atrevimento teu na pergunta, nenhum embaraço meu na resposta. Efectivamente, é difícil responder à tua pergunta, e explico porquê: é claro que Joaquim Nando é uma brincadeira com o meu nome. Porém, é claro para quem me conhece - e tu conheces - que eu nunca fui crítico musical nem tive qualquer tipo de relação com uma has ben musical dos anos 80. Por outro lado, é verdade que o concerto vem de impressões de concertos vistas por mim, que a ria por onde Cláudia anda é um lugar específico por onde passei uma vez e que me surgiu como natural para pôr a acção, que na altura em que escrevi isto andava muito marcado pelo "Marcas de Baton" do Griel Marcus. O que me levou a juntar a personagem a mim através do nome, não sei. Se calhar, achei só que soava bem.

3:45:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009