Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

o mau cheiro

Ao que parece, o mau cheiro de Coimbra tem mesmo a ver com a ETAR...

2 Comentários:

Blogger cinnamon girl disse...

Valha-nos isso...

7:25:00 da tarde  
Blogger franksy! disse...

Terça-feira, 11 de Julho 2006

Mau cheiro provocado por 130 toneladas de estrume
Cerca de 130 toneladas de matéria orgânica para adubar terrenos numa exploração agrícola próxima dos campos do Bolão. É esta a causa do cheiro nauseabundo que se tem sentido em Coimbra nos últimos dias

Está encontrada a causa dos maus cheiros que se têm sentido em Coimbra, ultimamente. Colocada de parte qualquer avaria na Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) do Choupal, a origem do fedor está relacionada com matéria orgânica destinada à adubação de terrenos de uma exploração agrícola do Baixo Mondego, a poucos metros da fábrica Gomase, na zona dos campos do Bolão, revelaram Massano Cardoso, provedor do Ambiente e Qua-
lidade de Vida Urbana de Coimbra, e João Damasceno, da administração da Águas do Mondego, que esteve no local, ontem à tarde.
No total, encontrou «130 toneladas de correctivo orgânico», adiantou ao Diário de Coimbra, esclarecendo que o agricultor estava licenciado a efectuar a adubação dos terrenos. Sobre a quantidade de matéria utilizada, João Damasceno não se pronunciou, supondo que caberá à Direcção Regional de Agricultura da Beira Litoral fazer a avaliação.
Com maior incidência na zona das descargas, o cheiro nauseabundo sente-se na Baixa, atravessa todo o perímetro da cidade, chegando à zona do Alto de S. João. O próprio Massano Cardoso testemunha que na sua área residencial – Bairro Norton de Matos – se sente a onda nauseabunda.
Uma fonte com uma exploração próxima do local onde o agricultor depositou o estrume deu também conta ao Diário de Coimbra do depósito a céu aberto do que supõe corresponder a «30 carregadas» de matéria orgânica. Além do mau cheiro, a mesma fonte realçou a crescente onda de moscas e mosquitos que paira naquela zona, pelo que se chegou a supor qualquer anomalia na ETAR.
«Sobrou para nós», sublinhou o director da Águas do Mondego, dando conta da constante deslocação de pessoas à estação de tratamento de águas residuais – algumas durante a madrugada -, desconfiadas de ali encontrar a fonte do problema, que, conclui João Damasceno, «não tem nada a ver com saneamento da cidade».


Patrícia Isabel Silva
Diário de Coimbra

6:32:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009