Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

a guerra

Tenho-me mantido silencioso relativamente à guerra de Israel. O que se pode dizer, ao fim e ao cabo? A discussão que tenho lido por aí passa pelo anti-semitismo, oposição de extremismos, a linhagem histórica do problema, o certo e o errado. Terá sido certa a intervenção de Israel? Terá sido proporcional à ofensa - a propósito, que é dos soldados israelitas raptados? Bem, só por causa de um homem, guerras têm começado (I GM) e acabado (Angola). Mas, se não é proporcional, como deveria ser? Seria possível atacar só um bocadinho o Líbano? Dever-se-ia não ter atacado, ponto? E os civis, são escudos humanos? É Israel que mata indiscriminadamente ou é o Hezbollah que os coloca lá para dizer que Israel mata indiscriminadamente?

As questões mais óbvias parecem-me ser estas. Mas, mais uma vez, olhando para isto, penso: de que adianta? Estarei a ser demasiado ingénuo ao considerar como masturbação intelectual uma discussão de política geoestratégica quando o que está em causa é a aniquilação de pessoas por pessoas? Não adianta muito vir chorar depois o esvaziamento moral e a crise de valores e ai que a culpa é toda do Nietzsche. O que dá a um Estado, a uma organização paramilitar, a um soldado, a um indivíduo o direito de interromper o acesso de um corpo humano à vida através de uma acção violenta? Isso não pode ser negligenciado, não pode. De que adianta vir depois falar de Arendt e Popper e do totalitarismo e do fim da poesia depois de Auschwitz? A verdade é que a guerra excita. Há quem, de súbito, tenha algo de que falar e muito para dizer. Cita-se Arendt e Popper, Said e Malouf, Ash e Hitchens. Fala-se de batalhas. A silly-season já não é silly. Há felicidade na Comunicolândia.

Os mortos devem ser respeitados e a guerra deve ser reprovada. As palavras medem-se e o silêncio vale mais do que mil imagens. Somos pessoas, raio - a nossa dignidade julga-se perante o sangue dos outros.

3 Comentários:

Blogger antimater disse...

Sobretudo isso: a guerra deve ser reprovada, independentemente do posto de observação.

No fundo só nos garante que não saímos da barbárie. E esse é o ponto de partida e o ponto de chegada...

Cátia

11:20:00 da tarde  
Blogger gustavosampaio disse...

nietZsche

2:10:00 da manhã  
Anonymous JVN disse...

É o que dá escrever à pressa: boa, Gustavo.

2:23:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009