Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

a senhora na água

Só ontem consegui ir ver o último de Shyamalan e hão-de perdoar-me a inocência, mas em que medida é que o realizador ou o filme são ingénuos? O filme pareceu-me uma metáfora complexa sobre o "storytelling" - melhor do que "narração de história" -, em que o realizador afirma (em pessoa) o seu lugar perante a obra e perante o público e em que explana a sua visão do fenómeno artístico e narrativo.

Não é por acaso que o surgimento de "Story" ajuda o Shyamalan-personagem a desencravar a escrita do seu livro - uma história desencrava o ensaio socio-político (o livro) da mesma maneira que faz arrancar o ensaio estético (o filme). Percebe-se que o filme não tenha sido um sucesso comercial: as questões que invoca estão mais próximas dos storytellers do que da audiência média, como na aceitação pelo autor de que as suas ideias (e apenas as suas ideias) implicarão a sua morte. Parece-me algo que qualquer pessoa que publique a sua opinião compreenderá.

É nesta medida que este é o filme mais pessoal de Shyamalan - não pessoal no sentido "aqui está uma representação da minha vida", mas sim no sentido "aqui está uma representação daquilo que creio ser o sentido estético da minha actividade". A crítica corporativa e directa ao crítico de cinema (crítica ao crítico, portanto) retira logo qualquer átomo de ingenuidade que o filme pudesse ter. Na verdade, "The Lady In The Water" é um filme político. Política artística, sim senhor, mas político.

6 Comentários:

Blogger André Santos disse...

Até concordo contigo. O filme enquanto exercício até é engraçado, pouco mais do que isso - há outros bem melhores que ele a abordarem o mesmo tema. O problema mesmo é a história do filme ser - e desculpa a expressão - uma valente merda. Não é por ser pouco credível, por ser um "conto de fadas", é mesmo por ser incrivelmente má.

12:10:00 da manhã  
Anonymous JVN disse...

Eu acho que a história é frágil exactamente porque o filme não é dela, mas sobre ela. Porquê má?

12:08:00 da tarde  
Blogger André Santos disse...

Na minha opinião a história não tem ponta por onde se lhe pegue. Nessa perspectiva de filme "sobre a história" há um bem melhor do ano passado, Tristam Shandy - A Cock and A Bull Story, do Winterbottom, em que a impossibilidade de adaptar a obra-prima do Sterne é desmontada de uma forma igualmente inteligente e engraçada. Alguns exemplos mais "antigos" vêem-se em filmes como Flirt, do Hal Hartley, e, porque não, no Adaptation, do Spike Jonze.

Eu não gosto da história. Acho um péssimo "conto de fadas", seja lá o que isso for. Formalmente, e seguindo a estrutura do "princípio-meio-fim", não me parece que exista ali um "meio" mas um fim muito extenso desde os primeiros minutos. Talvez a coisa funcionasse numa curta, como longa a coisa arrasta-se tempo demais caindo depois em clichés de "filmes sobre a história" (e neste filme há muitos, mesmo).

Bem, mas isto sou eu, que não o aprecio muito como realizador. Mas ao contrário dos outros filmes, aos quais dou o benefício da dúvida, este parece-me claramente inferior, baseado numa ideia que até poderia ser interessante se a história adaptada fosse melhor contada. Porque se é uma história sobre o filme, convém ao menos que seja bem contada.

5:32:00 da tarde  
Anonymous JVN disse...

Não vi o Winterbottom, o Flirt irritou-me. Do Adaptation, gostei moderadamente e tenho vindo a gostar mais com o tempo. Mas parece-me que o ponto central do desacordo poderá estar precisamente na opinião sobre o Shyamalan: não gostei do Sexto Sentido, gostei muito do Unbreakable, ainda mais do Sinais, menos da Vila. Seja como for, é um realizador que tenho acompanhado com interesse desde aquele plano-sequência inicial do Unbreakable, em que o Bruce Willis conversa com alguém ao seu lado. Foi preciso tomates para escapar ao campo/contracampo daquela maneira e foi preciso tomates para fazer o Sinais, talvez o primeiro blockbuster assumidamente pós 11 de Setembro (sem esquecer o 25th Hour, mas aí o registo é todo outro). Talvez por isso, vi o Lady In The Water mais como uma declaração de princípios (pessoal, portanto) do que como uma história. E, como declaração de princípios, interessou-me mais do que como história, é verdade, mas não deixo de achar que é à declaração de princípios que se deve dar prevalência - porque o próprio filme dá-mo a entender.

6:35:00 da tarde  
Blogger JC disse...

Ó JVN, desculpar-me-às, mas partilho da opinião do André Santos.
O argumento, mesmo se considerado da perspectiva sobre a qual procuraste entende-lo (e digo procuraste porque não me parece evidente, mas pode ser um problema de percepção), é muito fraquinho, diria mesmo... desgarrado.
Continuo a gostar muito do M. Night, mas neste seu último exercício, fico-me só pela forma como realiza.

10:32:00 da manhã  
Anonymous JVN disse...

Ora essa, JC, não tenho nada que desculpar, isto é mesmo assim, gostos são gostos.

1:06:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009