Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

O crédito

PUBLICIDADE (ver)
O bom deste sistema de publicidade é que não obriga a louvar algo de que não gostamos - basta que escrevamos sobre isso. Ou seja, de certo modo, é algo mais próximo da escrita criativa (sugestão de um tema, construção dum texto) do que de publicidade propriamente dita.

Desta vez, pediram-me comentários sobre o site National Payday, que faz empréstimos. O recurso ao crédito para consumo é muito concorrido por estes tempos - ainda há pouco ouvi na rádio que saiu mais um estudo a dizer que as famílias portuguesas estão endividadas das pontas dos cabelos à unha do dedo mindinho. Boa. Pedem-me que diga o que acho? Acho que isso é mais um reflexo de uma ideologia "soft" - de uma ética, se preferirem - que, hoje em dia, está espalhada de uma maneira ou outra por todo o mundo. Consiste no seguinte: se não consigo ser aquilo que desejo, adquiro o que me faz parecer que o sou.

Isto vem da dominação do raciocínio quotidiano por duas esferas: a económica (se chegámos ao ponto de as próprias maneiras de ser - o sedutor, o estudioso, o empregado... - serem bens escassos, é preciso que o acesso a elas passe por uma concorrência material) e a militar (se a concorrência é, por definição, concorrencial - ou conflituosa -, preciso de me armar com aquilo de que preciso para vencer).

Ter tornou-se uma necessidade para ser. O "sou porque tenho" é maior do que o "tenho porque sou". É uma conquista de 1789, de 1917, de 1974 que se entortou e os problemas surgem quando me faltam coisas para ser o que quero e/ou dinheiro para as adquirir. O que fazer quando a propriedade mal distribuída transforma a suposta "sociedade da abundância" (absoluta - os bens que há sobejam para o número total da população) numa "sociedade de escassez" relativa (a abundância de uns implica a pobreza de outros)? Pedir emprestado. Aqui surge a National Payday. Como essas linhas telefónicas parasitas que todos os dias nos aparecem de algum lado e que aprenderam - muito importante - que, mais tarde ou mais cedo, alguém num aperto vai precisar delas e que, portanto, só é preciso estar lá a sorrir para haver clientes.

O que sistemas como a National Payday propõem é mais do que o mero empréstimo de dinheiro. É uma opção moral. O "sim, quero pedir emprestado" define imediatamente uma relação de autoridade e submissão entre duas pessoas. Há situações em que isso é compreensível (investimentos, aquisição de uma casa, de um automóvel, etc.), mas, quando quem pede o faz para além do que realmente pode e necessita e quem dá esconde a avidez por baixo dum automatismo amoral ("sem perguntas", "juros baixos", "imediatamente e à distância"), algo está errado e em desequilíbrio. E este é o meu anúncio à National Payday.

0 Comentários:

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009