Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

o poema

Traduzi o poema "In the Kingdom of Poetry", de John Yau, que desenvolve a "Procura da Poesia", de Carlos Drummond de Andrade. Aqui o têm:
No Reino da Poesia
(a Carlos Drummond de Andrade)

Não escrevas poemas
sobre ti.

Não chames a atenção
para o que revelas

ou faças confissões.
Mesmo se tencionas

expiar a dor,
ultrapassar a culpa,

acalma a
raiva compreensível,

não escaves
o luto da tua mãe,

tormento sexual do irmão,
ladroagem da irmã,

auto-ódio do pai,
fortuita carta astral de padrasto.

Sentimentos não são poemas.
Parentes, devem-se deixar

onde se encontram,
num bueiro

ou caixa registadora.
Não escrevas poemas

sobre outros.
Deixa de fora maridos,

divorciados, alcoólicos,
adolescentes borbulhentos e enfermeiras.

Já existe demasia
de maus argumentos de filmes.

esquece amigos
e inimigos,

aniversários
e momentos especiais.

Alguém no negócio dos postais
já cobriu esses tópicos.

Não escrevas sobre
o que acontece no mundo,

a criança perdida
e os restos humanos,

a praia em chamas
e a página engolida,

o quinquagésimo
discurso do presidente.

O que aí aconteceu
não é um poema.

Não tentes provar
o sensível que és.

Outros já
reclamaram ser plantas.

Não é necessário demonstrar
o insensível que és.

pois isto é já
um facto incontestável.

Não escrevas poemas
que liguem

um evento comum
na tua vida

– barbear, ajustar o soutien, andar de metro
admirar pôr-do-sol especialmente pitoresco –

a um momento histórico significativo
– pogrom, fome, exílio, assassínio –

ou a um mito – estupro, ciúme ou rejeição -
na verdade a qualquer coisa com tema.

Poemas não são dissertações
apresentadas em conferências.

Não cantes as maravilhas da cidade
nem alistes as virtudes da vida rural.

Não fales de cisnes,
mortadela, secura dos olhos,

ou filósofos de uma orelha.
Piqueniques e pinturas não são poemas.

Não recorras ao drama
ou à mentira.

Não partas
da tua ânsia.

Devem-se deixar os segredos
onde estão.

Não te levantes
num teatro em chamas

e proclames
“ninguém ouve a poesia.”

Não escrevas poemas
sobre poetas

que são mal pagos.
Deita fora

as memórias,
enterra os teus espelhos.

0 Comentários:

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009