Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

o caso verde eufémia

Parece-me que o caso Verde Eufémia está a ofender muita gente. Pacheco Pereira, por exemplo, anda a escrever há dias sobre o assunto. O mesmo Pacheco Pereira que em 2003 defendeu a invasão armada do Iraque ofende-se quatro anos depois com cem tipos a desbastar um campo de milho. Milhares de soldados a invadir ilegalmente uma nação soberana para alterar o mapa geopolítico e gerar anos e anos de confusão no Médio Oriente - bom. Cem tipos no Algarve a dar cabo de um hectare de milho - mau. Talvez alguém devesse dizer a Pacheco que a GNR não interveio porque tinha medo de estourar as armas de destruição maciça que o proprietário José Menezes escondia por baixo da terra. Quem acreditou uma vez, pode bem acreditar segunda. Mas não digo mais nada, que ele ainda vem atrás de mim com uma saca de livros...

Apesar de invasões de campos serem frequentes em Portugal (ocorrem pelo menos em todos os finais de liga de futebol), eu acho que a Verde Eufémia não deve sair incólume do que se passou. Primeiro, porque tem um bom nome para uma secção sportinguista do PCP. Segundo, porque, bem, consequências como a responsabilidade civil devem ser esperadas por quem pratica uma acção deste tipo. Mas a verdade é que eles conseguiram o que pretendiam. As pessoas interessaram-se por saber o que são transgénicos, quais as vantagens, quais os riscos, quantas plantações há em Portugal e, nesse sentido, são mais importantes as perguntas que suscitaram do que as respostas que conseguiram. Não deveriam estas plantações ser monitorizadas com especificidade pelo Ministério da Agricultura? A informação ao consumidor não deveria ser mais explícita e ser incluída, não só nos vegetais, mas também na carne? Não deveria ser explicado que, da mesma maneira que permite não usar pesticidas, o milho transgénico pode contribuir para o fortalecimento das pragas e, como tal, desequilibrar o ecossistema? Se as plantações transgénicas triplicaram em Portugal num ano e têm um risco ambiental acrescido, não deveria ser criado um observatório que controlasse o impacto ecológico das mesmas e avaliasse da sua sustentabilidade? O Zero de Conduta tem razão: há coisas a acontecerem mais importantes do que uma invasão de campo. Não se mostram, talvez porque não contém o elemento "famílias de agricultores a passarem fome", mas, de vez em quando, é bom deixarmos o melodrama e pensarmos um pouco no futuro.

2 Comentários:

Anonymous alexandre disse...

Um pequeno reparo: não se escreve "interviu", mas "interveio"... depois não te admires se bombar por aqui o filho do Nené a reclamar que nunca pôs os cotos numa faculdade... Pior só uma sacada de lombadas do Pacheco Pereira na tola...Enfim, deve ter sido falta de atenção, com certeza...

2:48:00 da manhã  
Anonymous jvn disse...

Tem razão, sim, senhor. E depois de tanta formação em Ordem de Advogados! Fica feita a correcção.

3:22:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009