Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

Para uma ideia pura d’ "O Senhor Dos Anéis"

Já na recta final de exibição, finalmente vi "O Senhor dos Anéis: O Regresso do Rei". O meu juízo sobre a trilogia cinematográfica é, simultaneamente, limitada e impoluta, pois não li os livros de Tolkien. É uma desculpa esfarrapada para um manquejar da crítica. Seja como for, isto é um blog e, como tal, não estou obrigado a nada que não eu mesmo.

É curioso, mas durante o filme lembrei-me de uma curta-metragem vista no último Caminhos do Cinema Português. Chamava-se "O Dilema de Heimlich", tinha sido produzida e realizada no âmbito do cineclube de Torres Novas e contava a história de um dono de tasca explorador e agressivo que consegue pôr toda a família contra ele, incluindo o quase-genro, futebolista admirado no meio local que decide dedicar-se à música. Os actores eram amadores, os meios escassos, e assim se fez uma deliciosa obra trash, capaz de emparelhar a nível nacional com os hilariantes "Kuzz" e "Hitler e Wittgenstein".

Era impossível separar "O Dilema de Heimlich" e, consequentemente, a sua apreciação, do âmbito em que foi produzido. São momentos como estes que colocam a crítica, presumo, na posição difícil de encontrar o seu espaço para além da questão "bom ou mau". A curta de que falo, sendo inegavelmente má (porque insuficiente em tudo aquilo que a fazia: iluminação, representação, som, cenografia, etc), era-o com consciência e, por isso, conseguia utilizar as suas próprias insuficiências como um recurso expressivo válido. Conseguia assim habilmente fazer aumentar o interesse de quem a via, mas essa compreensão (que era, simultaneamente, a sua justificação) dependia do conhecimento da proveniência dela e das limitações a que esta a votava.

É de um modo aproximado que os filmes d’ "O Senhor dos Anéis" acabam por ficar na memória do espectador. Não sendo obras-primas do cinema de aventura - com efeito, nada inventam, só amplificam (osainda demasiado irritantes efeitos digitais, as personagens animadas ao lado das reais, as cenas de batalha, o maniqueísmo) -, eles ganham legitimidade dentro de um círculo muito específico de referências e significantes. Assim, eu arriscaria um pensamento. Parece-me que os filmes do "Senhor dos Anéis" vão para além do cinema, pois não é nele que querem encontrar a sua razão de ser. A ideia de cinema que deles se possa retirar aparece por reflexo, não é ela que os move. E, mesmo sem ter lido a trilogia (aceitando por isso que esta tese tenha a invencibilidade do ar), tudo o que li sobre Tolkien leva-me a ir mais longe e a afirmar que, embora utilizando instrumentos específicos dos meios pelos quais se expressa (os da literatura, no caso dos livros, os do cinema, no dos filmes), este imaginário ultrapassa-os.

Dito mais claramente: o "Senhor dos Anéis" existe num sítio que não é o do cinema nem o da literatura – é antes o da moral, da pseudo-história, da linguístca, da religião; numa palavra, do fantástico enquanto sistema -, mas serve-se do cinema e da literatura para ser, digamos, veiculado. É por isso mesmo que me é difícil julgá-lo, porque ele surge e relega para segundo plano o transporte que no-lo trouxe, este não lhe interessa para nada. Cria um modo próprio de criação. A sua importância está aí e, no que ao cinema diz respeito, ele só deve interessar enquanto convidado, não residente.
« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009