Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

Homem?

Ontem, pela segunda vez, discutiu-se na Oficina de Poesia a importância da linguagem enquanto forma de acção, temática, claro, apenas implícita por baixo de uma con(tro)vers(i)a à volta da dúvida sobre a implicação ética de se escrever Homem enquanto sinónimo de Humanidade. Atenção, nunca se tratou aqui de defender a supremacia de um sexo sobre o outro no que toca à igualdade de direitos - ninguém defendeu essa estupidez. O que se discutia, sim, era a importância da linguagem enquanto modo de acção, ou seja, de ser activista. Coisas incontroversas: o poeta, que utiliza a linguagem como matéria, deve ter consciência do poder desta enquanto instrumento de mudança; o uso de "Homem" enquanto sinónimo de Humanidade vem de séculos e séculos de negação de um estatuto digno à Mulher, que a apagava da vida social e política e, como tal, a menção a ela no substantivo colectivo tinha pouca importância. Não se pretende, claro, que se faça uma legislação da linguagem com efeito imediato, mas sim que se encete uma atitude crítica na sua utilização de modo a apagar as suas dimensões discriminatórias ao nível individual e a provocar o seu questionamento ao nível colectivo.

Tudo isto está certo, muito certo. Mas ontem (e devo confessar que, aquando da primeira discussão deste assunto na semana passada, estava menos disposto a dar o braço a torcer) ouvia, concordava e, ainda assim, não conseguia deixar de pensar que as coisas se devem resolcver primeiro num outro nível. As lutas pela igualdade (as sufragistas, o movimento dos direitos cívicos nos Estados Unidos) bateram-se no plano político-social, com reinvindicação de direitos concretos que faltavam aos discriminados. Ora, eu ouvia a discussão e custava-me reconhecer tanta urgência a este uso das palavras como à mudança dos costumes que, parece-me, acaba por ser a dimensão mais nefasta do problema. E apesar de tudo, eu sei que há quem se sinta eticamente em causa com estas palavras e consigo compreender a posição de quem diz que a linguagem está o mesmo nível de actuação que tudo o resto, que não há hierarquias de acção. E ainda assim, custa-me compreender. Alguém se quer pronunciar?

P.s. Não se trata de avaliar da qualidade poética de um autor, mas sim da definição de um modo de actuação para um autor eticamente envolvido

0 Comentários:

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009