Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

a liberdade de expressão 4

Para acabar com a conversa dos cartoons neste blog:

- Considero que o Jyllands-Posten, ao publicar os cartoons de Maomé para "testar as fronteiras da liberdade de expressão no islão", tomou uma atitude insensata, de puro sensacionalismo e que, numa sociedade que se quer tão tolerante como livre, deve ser vista como expressão de brutíssima bronquice.

- Considero que o facto de o jornal ter salientado em editorial o facto de a figura representada ser Maomé (com a consciência do dogma islâmico da proibição da representação deste) e que a sua atitude em encomendar cartoons ofensivos são muito pouco defensáveis, pois esgotam-se na mera ofensa.

- Considero que a destruição de propriedade privada e de instalações admnistrativas de países estrangeiros é justificável em casos de extrema opressão, mas nunca em abstracto.

- De nenhum modo se pode considerar que, na sequência deste caso, tenha ocorrido uma extrema opressão daqueles que destruíram embaixadas estrangeiras e outra propriedade privada e coagiram, física ou moralmente, terceiros em reacção à publicação dos cartoons. Essas destruições e coacções devem ser vistas como expressão de brutíssima bronquice.

- A incapacidade de distinguir entre uma publicação intencionalmente ofensiva e uma publicação meramente informativa dos cartoons deve ser vista como expressão de brutíssima bronquice.

- Seja como for, é necessário questionar aquilo que nos é mostrado (numa reportagem da RTP sobre manifestações da comunidade muçulmana em Moçambique, vi queima de papéis, berreiro e uma série de actos de espectáculo semelhantes, mas houve mais agressão quando, há dias, o Telejornal passou uma peça sobre os reembolsos aos comerciantes da extinta Feira Popular).

- Quando os ânimos estão exaltados, a expressão livre tem de lutar tanto contra quem não a quer como contra quem a esbanja. Eu tento ser sério e expresso-me livremente. Tenho menos a perder com quem se expressa livremente e não é sério do que com quem não quer que eu me expresse livremente, é verdade, mas também tenho a perder com o primeiro, porque a sua acção aumentará a dúvida sobre a seriedade da minha liberdade de expressão, desse modo diminuindo-a.

- A defesa duma restrição legal da liberdade de expressão deve ser vista como expressão de brutíssima bronquice.

- Sobre o bom senso: há dias, via o Prós e Contras sobre o assunto, Vasco Rato teimava com Ângelo Correia e eu pensava "e se Ângelo Correia se levantasse neste preciso momento, atravessasse o cenário e, para surpresa de Vasco Rato, se sentasse na mesa deste, apoiando os pés na sua cadeira?". Há algo na lei que o proíba? Nem por isso. Não ofenderia gravemente Vasco Rato, poderia até nem sequer tocar-lhe. Ângelo Correia tinha, enfim, essa liberdade. Mas, se o móbil dessa atitude fosse testar as fronteiras da liberdade de movimento de Vasco Rato, seria sensato? Não me parece.

- Utilizar o bom senso para justificar o abafamento de coisas que devem ser ditas deve ser visto como expressão de brutíssima bronquice.

- Os cartoons não ultrapassam um limite da liberdade de expressão (e, por isso mesmo, não adianta de nada estar a centrar a discussão nela neste ponto concreto) - simplesmente, falham o alvo que se propuseram ("testar..", etc, etc). Ou, então, acertam-no em cheio e isso torna-os meio perfeito para a expressão de brutíssima bronquice.

3 Comentários:

Anonymous Pássaro Livre disse...

Meu caro,não me parece que o seu artigo possa esclarecer coisa alguma.O seu bom-senso pode ser diferente se fôr eu a utilizá-lo.O que me parece é que nisto surgem várias questões:as caricaturas,o direito à sua publicação e gostar ou não de muçulmanos.
Devo desde já dizer-lhe que qualquer muçulmano que se preze é capaz de morrer pelo profeta.Dizer isto não é não gostar deles,eles é que não gostam muito de mim.Não me conhecem e já me odeiam.Odeiam me mais agora por eu ser da Europa onde foram publicadas as caricaturas do seu profeta.Parece me que o melhor é odiar sem grandes motivos.Como viver com bom senso com um povo fanático por uma religião que proibe os desenhos e prega a nossa extinção?Sim,um dia acontecerá mas não por causa do mau-humor.O que será pior que as caricaturas,as imagens de assassino que corta a garganta da sua vitima na frente de uma câmara ligada,um suicida que acaba com a sua vida no meio de um casamento?E as dezenas de igrejas e mosteiros ortodoxos sérvios que foram destruidos pela fúria islâmica no Kosovo?Que tipo de sentimento religioso é esse que quer ver morto o irreverente por não ser igual a eles?Contra isso não são feitos protestos em massa nas ruas nem manifestações oficiais dos governos árabes.
A Declaração Islâmica dos Direitos do Homem estabelece que a liberdade de consciência está limitada à liberdade de ser muçulmano e a liberdade de expressão fica circunscrita ao quadro restrito da lei muçulmana.Não há uma esfera do religioso e do mundo político,tudo resulta no mesmo.Tudo é religião,nada é laico.O individualismo não é um valor para o Islão.Estarão em causa as caricaturas ou o direito de publicá-las?A sua publicação está num direito que os europeus construiram e sagrado porque sobre ele foi construída a civilização da liberdade.E não poderemos mudar,seria um erro catastrófico acreditar que pelo facto de mudarmos eles (muçulmanos) iriam mudar.

4:13:00 da manhã  
Blogger disparosacidentais disse...

concordo inteiramente com os seus princípios. (em todo o caso creio que o vasco rato se devia realmente calar. seria o mais sensato.)

9:11:00 da tarde  
Anonymous pataphisico_azul disse...

Considero que extrema bronquice é somente justificar a destruição de propriedade pertencente a ou a morte de, pessoas que não são responsáveis por determinada ofensa.

1:53:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009