Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

a liberdade de expressão

A liberdade de expressão não serve, não pode servir, para dar lições de moral. O diário dinamarquês Jyllands-Posten convidou cartoonistas a caricaturarem Maomé para "testar as fronteiras da liberdade de expressão no islão". Podia fazê-lo? Claro que sim. Foi sensato fazê-lo (e esta pergunta tem por trás todas as diferenças óbvias na tradição de representação do profeta islâmico)? Não, não foi. O facto de o debate ter sido centrado desde o início na liberdade de expressão não me impede de dizer que a liberdade de expressão é o que menos aqui importa. O jornal dinamarquês utilizou uma técnica sensacionalista para captar atenção: repare-se que a intenção era retratar Maomé. Mas quem o investiu na qualidade de paladino da liberdade de expressão? Foi arrogante, ponto. Volto a dizer: podia fazê-lo. Ainda assim, o que conseguiu fazendo-o? Talvez novos leitores. Mas poderia razoavelmente esperar algum efeito útil quanto a esse objectivo de "testar as fronteiras de liberdade de expressão do islão"? Não censuro o uso da imagem de Maomé; censuro o que a motivou. Há o direito ao sensacionalismo, mas é preciso ver com o que é que estamos a lidar e comparar o que há a ganhar com o que há a perder.

Adenda: faço minhas as palavras do Guardian: "Context matters very much in the case of the cartoons of Muhammad too. It is one thing to assert the right to publish an image of the prophet. As long as that is not illegal [...] then that right undoubtedly exists. But it is another thing to put that right to the test, especially when to do so inevitably causes offence to many Muslims and, even more so, when there is currently such a powerful need to craft a more inclusive public culture which can embrace them and their faith. [...] Yesterday's acquittal of two British National party officials on race hatred charges for attacking Islam - and the triumphalist scenes as the two freed men emerged from court - are part of the context that must be weighed in asserting any right to publish cartoons that offend Muslims. So too is the political situation in Denmark itself, where the cartoons were first published, and where a large and strongly anti-immigrant party provides part of the parliamentary coalition supporting Denmark's centre-right government. What is the message that is being sent, both in the BNP acquittal context and in the Danish context, by insisting on publishing such images? Those questions cannot be ducked - and nor can the answers."

2 Comentários:

Anonymous pataphisico_azul disse...

Vejamos: se a intenção do jornal foi captar leitores, podemos então discutir se essa intenção era censurável ou não (apesar de Daily Mirror e companhias fazerem coisas bem piores e nunca ninguém os ter censurado). Agora, o que não podemos fazer, é andar a pisar ovos em países supostamente livres (em termos de "expressão") para não ofender as meninas de Meca. É a mesma coisa que comprar tudo o que uma criança quer, com medo que ela começe a berrar no meio da loja. A questão aqui é que a criança tem que aprender que na Europa (EUA, América Latina, China, países não muçulmanos...) a carteira é nossa, o brinquedo é nosso, e a loja também é nossa. Por isso têm que seguir as nossas regras. E ninguém os obrigou a comprar aquele jornal. Assim como ninguém obrigou o Papa a ver "A Última Tentação de Cristo", que foi censurada por Roma, mas mesmo assim foi para os cinemas e depois para os clubes de videos e agora anda aí em DVD, de certeza...

9:39:00 da manhã  
Anonymous JCN disse...

Passamos (nós, europeus) séculos a ser presos, queimados, torturados e aviltados para poder, finalmente, ter liberdade de expressão _ liberdade que inclui, evidentemente, o ser inconveniente, estúpido e agressivo. E a liberdade total em completa de expressão, no total dos países europeus, não tem mais do que 60 anos. Estes pézinhos de lã para com os mussulmanos são uma fraqueza e um recuo, que de nada servem. Podemos, sim senhor, ridicularizar os deuses e os seus profetas, é um direito que partilhamos com o direito de os venerar e de acreditar que eles são deuses e profetas. Esta convivência difícil tem de ser respeitada a todo o custo. Quem não gosta, pode ir-se embora, que não lhe sentiremos a falta.

9:51:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009