Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

o canibal

Sempre tive uma certa curiosidade pelo caso de Armin Meiwes, o canibal alemão. Um homem que satisfaz o desejo de outrem de ser devorado, saciando assim a sua própria fome, mas sem prescindir de algum capricho no acto (Meiwes comeu o seu companheiro de festança em forma de bife, com molho de pimentão verde, croquetes e couve de Bruxelas como acompanhamento), merece, afinal, o interesse alheio. Como Hannibal Lecter, este homem obedece a um pulsar irracional e ao mesmo tempo não se esquece de incorporar no ritual a forma organizada e civilizada de prazer do gourmet. O requinte deste Mal é o que o torna especialmente doentio e vampírico, mescla perfeita de eros e thanatos, pois não esqueçamos que, antes de se esvair em sangue, a vítima Bernd Jürgen Brandes tentou partilhar com o assassino o seu próprio pénis salteado com pimenta e alho. Diferença fundamental quanto ao psiquiatra inventado por Thomas Harris: Meiwes é real. Diferença ainda mais fundamental quanto a Lecter: Meiwes gravou em vídeo a sua aventura gastronómica. Sem dúvida, seria algo a mais tarde recordar, mas isto mostra de forma exemplar o papel da imagem no modo actual de representação e construção do real. Para além de ter, digamos, domesticado o seu canibalismo com a elaboração culinária, Meiwes concebeu-o como um espectáculo, um filme que poderia rever vezes sem conta. A intenção poderá ter sido puramente masturbatória, mas não creio: estou em crer que terá sido narcísica. A explicação dele para a sua patologia é a obsessão por um irmão mais novo - "alguém para fazer parte de mim", diz ele. Meiwes quer fazer crescer aquilo que é. Como tal, precisa de um objecto que lhe sirva de registo desse crescimento - que ateste o momento em que outrem integrou o seu eu. Este caso, curiosamente, tem bastante a ver com o do artista Stelios Arcadiou e o modo como este utiliza o corpo enquanto material artístico. Engraçado como não me parece que tenha tanto a ver com o sucesso do escritor mexicano que retalhou a namorada mas nega tê-la comido. Meiwes nunca se perdeu de si mesmo: é, de uma certa perspectiva, um homem consciente dos seus desejos e que os soube satisfazer. Jose Luis Calva, pelo contrário, perde-se num remoinho de acidentes e acasos. No entanto, se se provar que o homem realmente não resistiu à debicadela, será interessante pensar em porque é que admitir o homicídio era preferível a admitir o canibalismo. Assassino sim, vaidoso nunca?

0 Comentários:

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009