Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.



Não faço julgamentos por antecipação (nesse aspecto, sou muito mais Rui Teixeira do que Manuela Moura Guedes), por isso tento ir ver tudo, mesmo tudo, desde que tenha alguma razão para ver, seja ela qual for, e o dinheiro não andar especialmente a fraquejar. Por isso fui ver “Era Uma Vez no México”, de Robert Rodriguez. As minhas razões eram simples: primeiro, há muito que não via um filme de Rodriguez (mesmo de “From Dusk Till Dawn” só apanhei um bocadinho de fim, numa vez que passou na televisão – começo a notar que isso é mesmo típico em mim...); segundo, queria ver como se continuava um dos (poucos) filmes que vi no cinema durante a minha adolescência (a 16 km, com os pais, numa pequena sala de província). “Desperado” foi, na altura em que o vi, algo muito divertido e que me serviu para compreender uma certa instrumentalidade da violência como componente do filme. De resto, no cinema nada é importante per se, e já Tarantino disse (e Jacinto Lucas Pires citou, na sua curta-metragem inicial – não me lembro, já fez mais alguma?...) que dizer que não se gosta de violência no cinema é tão ridículo como dizer que não se gosta de cenas de dança no cinema.

Estava preparado para aquilo que a sessão foi. O filme é fraco, muito fraco. As personagens, as histórias, tudo anda por ali perdido, à solta, como se o que realmente importasse fosse a violência, o baque do choque (e não o é realmente?). E a citação ao filme de Sergio Leone (ainda hoje estive a falar dele :“Yesterday” e Big Apple) está ali porquê? Será por causa dos achaques familiares de Banderas/”El”?

É engraçado, mas, apesar de tudo, há marcas autorais que perpassam, apesar de tudo. Ou seja, o filme não é um objecto completamente incaracterizado e tornado produto. A fixação de Rodriguez pela mutilação e pela relação do eu com o corpo incompleto está lá e, por isso, situar a batalha final na Festa dos Mortos não será despropositado. Ainda mais curiosa é a afirmação despudorada de um sentimento pátrio: os comentários em off e a relativa dose de denúncia social encoberta d’ “El Mariachi” corporizaram-se desta vez num Banderas salvador e garante da ordem democrática.

O que realmente dá ao filme o seu tom de coisa de pechincha, de plástico – de sequela feita à força -, e para além das histórias todas engastadas umas nas outras à bruta, é a perda da melancolia do primeiro mariachi. Porque era isso que lhe dava personalidade, era isso que não fazia dele um boneco a despejar balas de revólver sobre manequins. Também se perdeu a acrobacia de “Desperado”, mais a inverosimilhança que levava a que nos ríssemos de nós mesmos e da nossa absoluta capacidade para crer.

Então o que restou? Não sei. Um jovem Wittgenstein ficaria confundido a ver “Era Uma Vez no México”, porque ele existe sem nada dizer. Pronto, diz que tem o Enrique Iglesias. Mas como eu não gosto do Enrique Iglesias...

0 Comentários:

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009