Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

À medida que o tempo passa e a minha estadia em Lisboa vai tomando formas, as idiossincrasias saltam à vista como golfinhos no Tejo, e não me refiro só o facto de o primeiro empreiteiro do burgo ter sido semideus. Considerando somente a fauna humana, é giro reparar na comovedora incapacidade dos lisboetas para comunicarem. Dementes em transportes públicos, crianças enlouquecidas, condutores irados: o somatório de palavras que nesta cidade acertam ao lado da intenção de quem as soltou ao vento é imenso, e nem conto os plenários da Assembleia da República. Parece-me que isto é explicativo de vários pormenores que enformam o conceito olisiponense. Atentemos nas buzinadelas. Um homem que perde a virilidade pode procurar substituto num carro topo de gama, sim, mas se não consegue dizer o que lhe vai na alma poderá fazer algo mais do que buzinar? E os Santos Populares, o que são eles senão um combate anual de gabarolice entre os bairros lisboetas, tipo rappers ao despique mas com quadras e manjericos? Comparando com a minha primeira terra, Monção, em que a vontade de falar é galegamente pouca, e com a segunda, Coimbra, onde todo o falante é um bêbedo, Lisboa é toda uma Psicologia. E se calhar já falei demais.

1 Comentários:

Anonymous Anónimo disse...

"Em Coimbra, onde todo o falante é um bêbado".
Gostei.
Bêbado de álcool, por vezes; outras, bêbado de ideias ou ideais (a juventude é assim - ou costumava ser - bêbada, gosta de se "engrossar" com tudo o que é novo e às vezes velho, mas bom...).
Quem fala e é ouvido em Coimbra, infelizmente, não é bêbado, nem pode ser. A bebedeira e a ressaca dos tempos de juventude desses foi-se. E a cidade foi ficando assim...sem bêbados falantes...
São raros os que falam e aqueles cujas palavras embebedam qualquer um.
É preciso ser-se ou estar-se muito bêbada (agora da perspectiva da falta de lucidez)para continuar a fingir que esta cidade me embebeda o espírito...
E agora, se calhar, também já falei demais. :)

Só um à parte: adoro a tua PESTE assim. É tão fresca, tão arejada, tão pouco impositiva e despretensiosa. Algo limpo e novo na blogosfera. Continua, meu caro.

Tua amiga de Coimbra e de todos os sítios,

J.M.Abreu

12:57:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009