Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.



Como já era de esperar, devorei hoje os 12x13 minutos do Volume I do “Contacts” (Cartier-Bresson, Doisneau, Freed, Erwitt, McCullin, Giacomelli – só é pena o Winogrand ter morrido cedo demais) e, talvez por infecção do visto (um homem que de repente, e pela sua própria voz, se põe a reflectir sobre o seu trabalho, o lugar que este ocupa na sua vida, a sua percepção dele e de si mesmo através dele), notei o enfraquecimento da fotografia em mim. Quero dizer: estou em casa e está frio, penso, a água está fria e cá em baixo, na casa de banho onde tenho o laboratório, ainda mais. Ou seja, sou um preguiçoso, mas isso já eu sabia. Essa preguiça, no entanto, antes não me impedia de fazer as provas que queria.

Há nisto tudo uma certa maturidade. O papel custa dinheiro, o sonho já não é o que era (ainda está lá, porém). Para quê, começo a perguntar cada vez mais; dantes não, dantes perguntava porquê e atirava-me às coisas para compreender – guardei todas as fotos estragadas no dossier. Fiz a última acção profissional, vi o Manuel Silveira Ramos a ampliar fotografias a olho, como quem pinta. Espantoso, pensei.

Ou pode não ser nada disto e ser só eu a querer aproveitar Monção, as mãos da minha avó, os olhos da minha mãe, o sorriso do meu pai, o meu avô, que é talvez a pessoa com quem eu mais me pareço. Mas não me parece.

Tenho livros para arrumar.

Mas antes: vi aquilo tudo de seguida, o que de não há-de ser muito saudável, mas pensando sempre 'eu já conheço, eu já te vi, eu já te copiei, eu compreendo-te'. Na altura em que vi o programa na televisão, eu não conhecia nada. Agora, sem que pense sequer que alguma vez cheguei à dimensão daqueles homens, compreendo-os, sei do que falam quando se dizem frustrados ou alegres. E, ainda assim, aquelas provas de contacto são perfeitas. As de Depardon (cujas fotografias nunca foram das minhas predilectas) são-no para além do humano. A alegria foi-se sem que tenha chegado a perfeição? Será isso?

0 Comentários:

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009