Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.



Há duas razões para eu gostar de Peter Weir. Primeiro, um dos filmes que, de certeza, vi mais vezes é “Dead Poets’ Society”. Lembro-me de aqui há uns tempos ter lido alguém que dizia que esse filme recorre a truques pequeno-burgueses para conseguir equivalentes emoções do espectador. Devo dizer que isso não me importa mesmo nada. Antes pequeno-burguês do que aristocrata. O filme é uma bela tradução para o universo juvenil de um ideal romântico, é perfeito na sua expressão do grupo e das variantes que o compõem e, acima de tudo, a sua belíssima cena final nunca cessa de me arrepiar, pois recorda-me algo em que penso sempre (graças principalmente, mas não só, às manhãs de Introdução ao Direito com o poético Pinto Bronze) como a minha “idade heróica”.

A segunda razão para eu gostar de Peter Weir é “The Truman Show”, que vi duas vezes, (fenómeno raríssimo, ainda mais porque fui eu a pagar o bilhete das duas). Fi-lo porque, com e por ele (não só, mas também e principalmente), mudei a concepção do que seria para mim um “bom” filme. Saído do Secundário, sobreconsiderava, parece-me, autores como Peter Greenway , no sentido em que para mim era um bom objecto artístico – e não só cinematográfico - aquele que enveredasse por grandes desenvolvimentos formais, sobreposição de dimensões (narrativas, temporais, espaciais, enfim...), hermetismos de linguagem que obrigassem a grandes pesquisas bibliográficas e referências multidisciplinares exaustivas. “The Truman Show” obrigou-me a reconsiderar. Fazendo um apelo directo ao espectador e surgindo na altura mais oportuna possível (quando “Big Brother” ainda era um embrião que esperava por ramificar tentáculos a partir da Holanda), o filme moveu-me, fez-me pensar. It reached me, como se diz. E porquê? Aquilo que de mais complicado havia era só o evidenciar das câmaras televisivas – a câmara de cinema era invisível, a de televisão era intrusiva e indiscreta, ou seja, o cinema mostrava a realidade, a televisão invadia-a. Mas aquilo dava-se a entender, abria-se a mim. Eu não tinha de conquistar o filme como uma montanha inacessível, ele estava lá. O que não teria eu visto se não tivesse visto então “The Truman Show”? Uma data de coisas belíssimas que teria desconsiderado por demasiado fáceis. Um filme tem de marcar, surpreender, ser um espelho concentrado do mundo que, por demasiado belo, ofusque o olhar de quem no mundo vive. Pouco importa aquilo que tem por trás, o que esconde, se não conseguir atingir esse objectivo. Uma pessoa só quer ler o que está por trás do filme para perceber o que há nele que a fascinou. Antes do porquê, deve vir o sentir. E ele pode estar sozinho. Interrogar sem sentir é bom para académicos ou para chatos.

Tudo isto porque ontem fui ver “Master and Commander”. Não é muito, muito bom. Mas serve para reavivar a memória. E para ver Russell Crowe, que, quer se goste quer não, não é nenhum Vin Diesel.
« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009