Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.



Nestas férias vou ler. "A realização cinematográfica", de Terence Marner, é garantido. Talvez as "Teorias do Cinema" do Andrew Tudor e a "Introdução à Análise da Imagem" da Martine Joly (sim, eu gosto muito da colecção Arte e Comunicação das Edições 70). Estes talvez. Mas gostava de ler também Nuno Moura ("Os livros de Hélice Fronteira, Regina Neri, Vasquinho Dasse, Ivo Longomel, Adraar Bous, Robes Rosa, Estevão Corte e Alexandre Singleton", comprado muto baratinho na Festa do Livro) e de passar de um ano para o outro a ler Camus.

Eu tenho uma relação com Camus (aqui fotografado por Cartier-Bresson, mestre de outras andanças). Eu respeito-o, o que é estranho de se dizer. Normalmente, quando me perguntam sobre o livro da minha vida, eu começo a frase de resposta a dizer "O Estrangeiro". Nunca tão claramente (ou mesmo nunca mais) um livro me transformou tão radicalmente, no sentido de que o meu pensamento, a minha ética, tornaram-se outros depois de o ter lido aos 17 anos. Na verdade, eu fui para a universidade para ser um homem absurdo - ou seja, tentei reflectir na minha vida o que tinha lido (não só no romance em si mesmo, mas também na fantástica introdução do Sartre, o filósofo que escrevia e que acabaria por se zangar com Camus, escritor que filosofava) e por isso é que "O Estrangeiro" é o livro da minha vida. Apropriei-me dele quando tentei aplicar o seu "programa" a ela e isso nunca mais voltou a acontecer com outro livro, por falta de disposição e porque, se calhar, a própria vida só nos dá uma tentativa para que isso aconteça (não é a mesma coisa, repito, não é a mesma coisa reconhecer um livro na vida que se vive ou já se viveu).

Foi por isso mesmo, por essa relação tão forte, essa empatia tão absoluta, que só consegui ler outro livro de Camus ("A Peste") alguns anos depois. E, mais uma vez, algo semelhante a uma revelação aconteceu. Não só o livro me reconciliou com o romance numa altura em que estava francamente zangado com o género e só conseguia ler narrativas curtas, como também me apresentou à personagem Joseph Grand, de que já tinha ouvido von Trier falar no seu "Epidemic". Ora, J. Grand passou a ser uma espéie de alter-ego meu na Internet, mais uma personagem para além de mim do que um simples nickname. E não me posso esquecer - já estava para acontecer - que nenhum outro nome para este blog parecia mais apropriado quando o comecei.

É por tudo isto, por saber que Camus me diz sempre algo que vou considerar certo, por achar que eu não o devo merecer constantemente, por ter medo de que uma dose em demasia me deixe enfatuado do meu escritor preferido e por considerar que ele deve ser lido com tempo e calma (numa altura que por si mesma seja de lembrar: um verão, um natal...) - é por tudo isto que sinto como necessário ter que deixar algum tempo entre leituras de Camus.

0 Comentários:

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009