Este blog está encerrado.

O autor continua a publicar em http://jvnande.com.

Se quiser ler uma selecção de textos, clique aqui.

o balanço

Como sou anarca, lento de raciocínio e, acima de tudo, atrasado crónico em consumos, não me importo muito com a data de embalagem do que me passou pela cabeça. Aqui falo do que mais me deu para pensar no ano de 2007.

Foi este ano que, quanto a mim, os blogs de mp3 superaram definitivamente o p2p como fonte de música. Só assim para ter descoberto o muito bom Goodbye Brains, de Coley. Outras bandas deram-se ao luxo de oferecer as suas próprias músicas. Os Radiohead foram uma delas, mas bem melhor do que o In Rainbows foi o Do Schopenhauer até à Lapa ou vendo cama tripartida + colchão de látex, dos Isabelle Chase Otelo Saraiva de Carvalho, que só podem ser felicitados por este ano terem começado a colocar as obras em ficheiros únicos. Ainda assim, o disco mais espantoso que ouvi em 2007 é de 1975. Chama-se Estudando o Samba e é do Tom Zé.

2007 também foi o ano em que descobri podcasts que me convenceram definitivamente: o Sound Opinions, o SMtv, o Fresh Air, o All Songs Considered e, no vídeo, o Charlie Rose e a Boing Boing TV.

Na comédia, vi tudo o que consegui dos Flight of the Conchords e do Zach Galifianakis. Fiquei também com vontade de ver mais Dan Mintz do que os poucos vídeos online que encontrei.

As séries de eleição foram a Entourage, o Dexter (ainda só vi um episódio da segunda temporada e não me agradou, mas a ver vamos) e a Californication - e, fale-se bem ou mal do ER, não esqueci o episódio de que falei aqui.

Foi um prazer rever o Living In Oblivion, esse belíssimo exemplo de como nos anos 90 se sabia fazer cinema com pouco mais do que um décor. Bug mostrou que o veterano Friedkin já tinha a lição aprendida. Juntamente com Swimming To Cambodia (ver finalmente Spalding Gray foi iluminador) e Glengarry Glen Ross, serviram para eu compreender que, ao contrário do que duas velhas belgas uma vez me quiseram impingir, estou-me bem a cagar para guerrilhas entre o cinema e o teatro. Masked and Anonymous é um exercício perturbante de delírio à volta da personagem Bob Dylan - será bom para contrapor ao esperado I'm Not There - e Guy foi magistral em 1997 a tratar questões de 2007 (a vigilância, a privacidade, o voyeurismo do público). Por fim, Zach Galifianakis Live At The Purple Onion! é um grande filme de stand-up. Vejam, está disponível online.

Li pouquíssimas coisas que me tivessem deixado a pensar nelas, o que não deixa de ser estranho, pois foi de certeza na Amazon que gastei mais dinheiro a comprar mais livros por menos dinheiro (acho que me compreendem). Ficaram-me o Wilt (o Sharpe é querido por estas bandas) e o Como Falar dos Livros que Não Lemos?, para além da descoberta de Daniil Harms, que me aumentou muito o interesse nas micronarrativas.

A Matéria do Tempo terminou, o que é uma pena - era um fascinante blog que nada tinha de narcísico. Não é normal. Também defunta, a curiosa experiência do diário de um quiosque, que, da Praça 8 de Maio da Figueira da Foz, mostrava ao mundo que bastam 6 metros quadrados para haver assunto. Mas também houve muitos blogs vivos, como o de Julian Gough, autor de Divine Comedy (o melhor ensaio que li em 2007 e que tive a oportunidade de traduzir para o PFtv Blog); o Frescas e Boas, do João Tomé, olho atento ao que se vai fazendo de comédia, televisão e cinema, tal como o excelente André Santos, a quem ainda não percebi se gosta realmente do Dexter ou não; o No Centro do Arco, do poeta João Rasteiro, antigo companheiro da Oficina de Poesia e que ainda não tinha mencionado aqui; a ana de amsterdam e o Womenage a Trois, que me deram a sensação de os ter descoberto com atraso; o dias felizes, do Rui Manuel Amaral, mais um rastilho para o bichinho da micronarrativa, cujas histórias não raras vezes me serviam para respirar durante o dia. Por qualquer razão que não sei explicar, acho que o Tiago Galvão, o Miguel Marques (o mesmo que entrou em antologias dos Jovens Criadores comigo, presumirei bem?), o Lourenço Bray e o manuel a. domingos seriam gajos excelentes com quem formar um Fight Club - e digo isto no melhor dos sentidos. No cinema, dois sobreviventes da defunta Premiere, o Deuxieme e o Dias de Criswell, salvaram a honra da casa, e o Diário de Blindness, o blog da rodagem do que será o primeiro grande filme americano inspirado num romance português, foi referência. Errol Morris, um enorme documentarista, também começou a blogar para o New York Times, com textos espaçados, reflectidos, fascinantes. Na fotografia, pareceu-me que a Joana Linda está a aguentar bem o novo espaço dela, o que só é bom para todos nós (e ainda melhor para o Miguel Marques). Já o Bandeira ao Vento é porventura o blog de humor português de que menos se fala, o que não se compreende. Os Não Tens Piada (curioso título) e A Dupla Personalidade fizeram a melhor colaboração do ano e as notícias e o blog do site Dead Frog foram uma ferramenta essencial de trabalho. Na literatura, o Blogtailors e o Bibliotecário de Babel ressaltaram, e é curioso reparar como parece que vieram para o online algumas presenças que parecem estar a ficar sem lugar na imprensa escrita. O Augusto M. Seabra foi notório - será também o caso do Jornal de Letras?

Para acabar com isto tudo, fiquem com o vídeo/canção em que de certeza mais carreguei no "play" durante 2007 e aproveitem para recordar a Jane Fonda a envergonhar o Colbert e a Marine a ser surpreendida.

4 Comentários:

Blogger manuel a. domingos disse...

por mim estou... tudo bem.
abraço

6:58:00 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

Enfim...és mesmo uma peste!!!!!!!!!

João Rasteiro

11:13:00 da tarde  
Blogger o outro gajo dos wham! disse...

Sempre às ordens do fã!

12:59:00 da tarde  
Anonymous z1971 disse...

O Dexter é uma trampa.

10:30:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home

« Home | Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »
| Próximo »


jorge vaz nande | homepage | del.icio.us | bloglines | facebook | e-mail | ligações |

Novembro 2003 Dezembro 2003 Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009